1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hackers acessam dados de milhões de funcionários americanos

Computadores do governo dos EUA são alvos de ataque cibernético, que pode ter deixado expostas informações sobre 4 mihões de funcionários. Primeira suspeita é de que ação tenha origem na China.

Computadores do governo dos Estados Unidos foram invadidos por hackers, deixando expostos dados pessoais de 4 milhões de atuais e ex-funcionários federais. Nesta sexta-feira (05/06), investigadores anunciaram que apuram se a ação partiu da China.

Segundo investigadores, o ataque foi detectado em abril e confirmado em maio pelo Departamento de Segurança Interna dos EUA.

Fontes internas afirmaram que os dados pessoais estavam armazenados nos computadores do centro de dados do Departamento do Interior. Ainda não está claro se outros órgãos no centro de poder dos EUA também teriam sido afetados. Os dados possivelmente roubados são sensíveis e podem ser usados para fraudes financeiras.

Um funcionário do governo falou ao jornal Wall Street Journal que se trata de "um dos maiores roubos de dados que aconteceu até hoje".

O FBI (a polícia federal americana) abriu uma investigação e relaciona a invasão a roubos passados de dados da Anthem, a segunda maior seguradora de saúde dos EUA, e da Premera Blue Cross, fornecedora de serviços médicos.

No último dia 8 de maio, os EUA pediram à China que investigasse supostos ataques cibernéticos contra empresas americanas. Eles teriam ocorrido por meio de uma nova ferramenta, chamada "The Great Cannon".

Um mês antes, em 1º de abril, o presidente Barack Obama criou por decreto um regime de sanções que serão aplicadas a indivíduos ou entidades estrangeiras responsáveis por ataques cibernéticos ou ciberespionagem.

Na ocasião, Obama ressaltou que as ameaças cibernéticas são "um dos mais graves desafios à segurança nacional e à economia dos Estados Unidos".

CA/dpa/rtr/afp

Leia mais