1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Há 75 anos, perseguição antissemita culminava na "Noite dos Cristais"

Em 1938, série de pogroms na Alemanha e Áustria exacerbava situação dos judeus. Apesar dos relatos de diplomatas estrangeiros em diversas cidades, o mundo assistiu, sem reagir, a espancamentos, incêndios e assassinatos.

"Eu me lembro muito bem da manhã do dia 10 de novembro", diz W. Michael Blumenthal. "Meu pai foi preso bem cedo e, no meio da agitação da minha mãe, consegui correr para a rua. Eu vi as vitrines estilhaçadas na Kurfürstendamm, e a sinagoga da Fasanenstrasse, de onde saía fumaça, mas não tinha mais fogo."

Na época, Blumenthal acabava de fazer 12 anos de idade. Hoje, 75 anos depois, ele está de volta a Berlim como diretor do Museu Judaico; e como americano que nasceu alemão.

Início do pesadelo

Na noite de 9 para 10 de novembro de 1938 – a chamada "Noite dos Cristais" – ocorreram cruéis arruaças populares contra os judeus em toda a Alemanha e na Áustria. Milhares de sinagogas e casas de oração foram saqueadas, destruídas e incendiadas.

Reichskristallnacht in Berlin

Sinagoga da Fasanenstrasse, Berlim, após incêndio

Em plena rua as pessoas eram humilhadas, espancadas, em alguns casos até assassinadas, só por serem de origem judaica. A polícia apenas observava. O corpo de bombeiros não interferia nas sinagogas e lojas de judeus em chamas, mas apenas nas casas em redor.

E os pogroms eram apenas o início de uma política de extermínio. Já em 10 de novembro, 30 mil homens judeus eram levados para os campos de concentração de Dachau, Sachsenhausen e Buchenwald – entre eles, também o pai de W. Michael Blumenthal.

"Ainda me lembro das palavras da minha mãe, quando ele foi levado embora por dois policiais: 'O que está acontecendo? O que vocês vão fazer com ele? O que foi que ele fez?' Mesmo sendo criança, a pessoa sente o medo dos adultos, neste caso, da minha mãe."

Pretexto para perseguição

Desde a tomada de poder pelos nazistas, em 1933, agressões físicas e intimidações antissemíticas faziam parte de um triste cotidiano na Alemanha. Dois anos mais tarde, as Leis de Nurembergue "para proteção do sangue e da honra alemã" definiam quem era judeu; muitos deles já haviam sido eliminados do exercício da profissão. Outras leis restringiam o acesso deles em espaços públicos. Em muitos casos, propriedades judaicas haviam sido desapropriadas, ou "arianizadas", como queria o jargão do regime.

Ainda assim, "é importante que se entenda o novembro de 1938 como um corte na história", explica o historiógrafo Raphael Gross, que dirige o Museu de Frankfurt. "Depois de 1938, encerra-se aquilo que se chama de época do judaísmo alemão. A sociedade alemã passou a ser outra".

Herschel Grynszpan

Herschel Grynszpan, então com 17 anos, usado como pretexto para "Noite dos Cristais"

Pretexto oportuno para a "Noite dos Cristais" fora o assassinato do diplomata alemão Ernst vom Rath por Herschel Grynszpan, um judeu de 17 anos, no dia 7 de novembro, em Paris. As arruaças antissemitas começaram em algumas cidades da Alemanha assim que o rádio anunciou o ato. No entanto, o pogrom só irrompeu em nível nacional dois dias mais tarde, depois que o próprio Adolf Hitler pronunciou o comando para tal.

A partir de Munique, onde toda a liderança nacional-socialista se reunira para comemorar o aniversário do golpe de Estado de Hitler, o ministro da Propaganda, Joseph Goebbels, fez, por fim, um discurso ordenando explicitamente que se destruíssem as lojas dos judeus e queimassem suas sinagogas. A polícia não devia interferir, o corpo de bombeiros só tinha que proteger a propriedade "ariana". Saques estavam proibidos.

A incitação foi colocada em prática naquela mesma noite em Berlim, Colônia, Hamburgo, Frankfurt, em cidadezinhas, lugarejos – por fim, em toda a Alemanha. "Por todos os motivos pensáveis, os alemães ou participaram ou se omitiram", recorda Blumenthal.

Isso não significa que lhes agradasse o que estava ocorrendo, ressalva, "mas ninguém disse nada". "O novembro de 1938 transcorreu diante de todos os olhos, diante da imprensa internacional, diante das representações diplomáticas, diante de todos os cidadãos", ressalta o historiador Gross.

Diplomatas horrorizados

Novemberpogrome 1938 Artikel New York Times

Foto das lojas de judeus destruídas na Kurfürstendamm atravessaram mundo na capa do New York Times

Todos os diplomatas estrangeiros sediados na Alemanha informaram a seus países de origem sobre a situação. Hermann Simon, diretor do Centrum Judaicum, reuniu relatos de embaixadores e cônsules ativos no país em 1938, de Hamburgo a Innsbruck, de Colônia a Breslau (hoje Wrocław, Polônia).

"Os relatos estão cheios de repulsa e trazem termos como 'barbárie cultural'", conta Simon. Apesar da interdição oficial, saques ocorrem nos dias 9 e 10 de novembro: "Pelas ruas se viam bandos de jovens ostentando objetos de culto roubados das casas de oração israelitas", registrava, por exemplo, o conselheiro diplomático do Brasil.

O cônsul-geral da Polônia em Leipzig narra o drama de uma família judaica polonesa. "A esposa de Sperling foi despida e os espancadores tentaram violentá-la". O embaixador letão descreve como a avenida berlinense Kurfürstendamm "parecia um campo de batalha". O representante finlandês menciona "crítica aniquiladora" por parte da população alemã. Um comentário bem frequente era "eu me envergonho, como alemão", relata.

O mundo não reagiu

No entanto, os diplomatas não enviaram nem reivindicações concretas, nem sugestões de medidas a seus países. "Impera uma expectativa e a esperança enganosa de que será possível se arranjar com o regime, de alguma forma", comenta Hermann Simon. No geral, a reação às notícias é relativamente restrita.

Raphael Gross complementa que, na sequência do novembro de 1938, começou a ação humanitária internacional Kindertransport, também intitulada Movimento de Crianças Refugiadas: a emigração de menores judeus para a Inglaterra, com o fim de salvá-los da perseguição nazista. "Alguns Estados reagiram, sim, mas muito pouco."

Michael Blumenthal

W. Michael Blumenthal, diretor do Museu Judaico de Berlim

Na opinião do diretor do Museu de Frankfurt, naquele momento ainda não era possível prever que os nacional-socialistas fossem engendrar o plano de assassinar todos os judeus do mundo.

Assim, o conselheiro diplomático da Itália escrevia, em 11 de novembro de 1938: "Não é imaginável que um dia 500 mil pessoas sejam todas colocadas diante do paredão, ou condenadas ao suicídio, ou que venham a ser trancadas num gigantesco campo de concentração".

Um erro de avaliação fatal: ainda em 1938, a família de W. Michael Blumenthal conseguiu escapar de navio, da Itália para Xangai, numa viagem que durou um mês. A essa altura, esse era o único lugar do mundo em que refugiados sem visto ainda tinham permissão para desembarcar.

Leia mais