1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Há 50 anos, prédio da Filarmônica de Berlim rompia tradições na música

Ousado e polêmico projeto de Hans Scharoun já está na história da arquitetura moderna. Se o exterior lhe valeu apelidos como "Circo Karajani", acústica e ambiente o tornam disputado por artistas e fãs da música.

O então maestro titular da orquestra Filarmônica de Berlim, Herbert von Karajan, não escolheu por acaso a Abertura "Leonore" nº 3, de Ludwig van Beethoven, para o programa de inauguração da nova sala de concertos em Berlim.

Além de simbolizar liberdade, a obra extremamente dramática lhe dava a chance de se encenar em grande estilo para o público. Pois a arquitetura da sala permitia a uma parte dos espectadores ver o regente de frente e acompanhar todo o seu jogo de expressões faciais. Isso era algo sem precedentes.

Quebra de paradigma

Desde o advento da cultura musical burguesa, no século 19, todas as salas de concertos eram construídas segundo o mesmo esquema: forma retangular, com um palco de orquestra elevado num dos extremos e plateia no nível do solo.

Deutschland Musik Berliner Philharmonie Innenansicht

Interiores labirínticos da Philharmonie

Um exemplo clássico é a sala da Sociedade de Música de Viena, onde até hoje se realizam os concertos de Ano Novo. Também a antiga Filarmônica de Berlim, destruída durante a Segunda Guerra Mundial, obedecia esse modelo.

Os planos do arquiteto Hans Scharoun para um novo fórum de cultura no bairro Tiergarten, apresentados em 1956, seguem uma concepção radicalmente diversa, que rompe com as velhas tradições. Em vez de um salão alongado, ele projeta uma forma de tenda assimétrica, e traz para o centro da plateia o palco, normalmente isolado. O resultado foi uma arena com área de representação central e tribunas para o público em aclive.

Círculo arquetípico e anteparos polêmicos

Nascido em 1893, Scharoun foi um dos principais representantes do movimento Neues Bauen (Nova construção, em alemão), na década de 1920. Ele trabalhou com o arquiteto do Bauhaus Ludwig Mies van der Rohe, entre outros, projetando sobretudo prédios residenciais. A Filarmônica de Berlim foi sua primeira obra de caráter cultural.

Dirigent Herbert von Karajan

Modéstia não era o forte de Herbert von Karajan

Assim, Scharoun explicou a inusitada planta baixa da sala de concertos: "Não é, decerto, por acaso que as pessoas formam imediatamente um círculo, hoje como em todos os tempos, sempre que, em qualquer lugar, alguém improvisa música. Esse comportamento absolutamente natural, compreensível para qualquer um, tanto do ponto de vista psicológico quanto musical, precisava também ser aplicado a uma sala de concertos. A música deveria estar no centro, também no sentido espacial e óptico".

O titular da Filarmônica, Herbert von Karajan, entusiasmou-se com a ideia do construtor. Outros, como o compositor Paul Hindemith, pronunciaram-se céticos. Oposição ferrenha também partiu do crítico musical berlinense Werner Oehlmann, após a inauguração da "Neue Philharmonie", em 15 de outubro de 1963. Ele se sentia incomodado pelos anteparos acústicos.

"Nem todo frequentador de concerto deseja ser lembrado por uma 'construção visível' que o milagre da audição é um processo físico, controlado pela ciência – da mesma forma que nenhum espectador de peça teatral deseja que os refletores estejam visíveis diante de seus olhos."

Anos de aperfeiçoamento

A "construção visível" criticada por Von Oehlmann é um gigantesco refletor acústico que o engenheiro acústico Lothar Cremer estendeu sobre o local da orquestra. Refletores menores, localizados dos lados, servem para distribuir o som uniformemente pela sala.

O resultado dessa construção deixa público e crítica perplexos, mas não convence de todo: juntamente com Karajan, Cremer ainda trabalhará algum tempo nos detalhes da acústica do espaço.

Para gravações fonográficas com a orquestra Filarmônica, até o início da década de 70 o maestro dá preferência à Igreja de Jesus Cristo, no bairro de Dahlem: só então as condições técnicas e acústicas ficaram ao gosto de Karajan. A essa altura, o projeto arquitetônico de Scharoun já estava estabelecido como um feito de mestre, inspirando vários trabalhos de seus colegas.

Deutschland Musik Berliner Philharmonie Innenansicht Konzertsaal

Acústica e situação de concerto atrai amantes da música em todo o mundo

"Circo Karajani"

Hoje, são inúmeros os solistas e orquestras de fama que disputam o prazer de tocar na arena do chamativo "Circo Karajani" – como o prédio foi apelidado na cidade, não sem uma ponta de maldade. Além da excelente acústica, um ponto alto para os artistas é poder se apresentar em meio ao público.

Mas a Filarmônica não seria a única instituição cultural projetada por Hans Scharoun na área. Em 1967, ele começou com a construção da Biblioteca Estatal da Fundação Patrimônio Cultural Prussiano. E em 1987, 15 anos após a morte do arquiteto, Edgar Wisniewski realizaria a Sala de Música de Câmara, um anexo da Filarmônica que Scharoun planejara durante anos.

Ambas as construções são testemunhos eloquentes da ideia de Scharoun de uma "construção orgânica". E ao mesmo tempo, com a Filarmônica de Berlim, ele criou um ponto alto da arquitetura moderna, com projeção mundial.

Leia mais