Há 150 anos morria o cientista alemão Alexander von Humboldt | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 06.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Há 150 anos morria o cientista alemão Alexander von Humboldt

Ele é considerado um dos mais importantes cientistas do século 19. Conheceu Goethe, Napoleão e Thomas Jefferson. Diplomata e aventureiro, o naturalista alemão Alexander von Humboldt faleceu há 150 anos.

default

Alexander von Humboldt, naturalista, expedicionário e estadista alemão

Em vida ele já era chamado de "Segundo Colombo" devido às suas expedições científicas à América do Sul e à América Central. Considerado por Charles Darwin como o "maior cientista expedicionário de todos os tempos", o gênio universal Alexander von Humboldt faleceu em 6 de maio de 1859, há exatamente 150 anos.

Filho de um oficial prussiano, Humboldt nasceu em Berlim em 14 de setembro de 1769. Ele tinha múltiplos talentos; não era um especialista, mas alguém que se interessava por quase tudo o que se relacionasse às Ciências Naturais: astronomia, zoologia, geologia, botânica, mineralogia e pesquisa climática.

Humboldt: um empírico

Em entrevista à emissora Deutschlandfunk, o professor de Filologia Românica e pesquisador de Humboldt na Universidade de Potsdam, Ottmar Ette, atribuiu a originalidade do cientista ao fato de ele nunca ter se deixado disciplinar. Segundo Ette, Humboldt foi um disciplinado indisciplinado ou vice-versa. Ou seja, ele sempre recontextualizava tudo aquilo que inicialmente desagregara.

Primeiramente, ele fazia uma abordagem das diferentes formas do saber, para mais tarde, em um segundo passo, unir os diversos modos de pensar, resultados de sua reflexão. É justamente neste movimento de pensamento que reside o fascínio de Humboldt, explicou Ette.

Nesse contexto, o biógrafo de Humboldt, Manfred Geier, explica que ele não foi um filósofo da natureza que tenha desenvolvido a ideia de um todo. "Se existe uma ideia de todo, então tudo se encaixa, tudo se influencia mutuamente, nada existe isoladamente, nada que possa ser destacado do contexto geral. Não se pode, no entanto, denominar esse todo de um conceito, ele deve ser analisado na sua diversidade. Humboldt foi um empírico", afirmou Geier.

Alexander von Humboldt und Aime Bonpland Flash-Galerie

'Alexander von Humboldt e Aimé Bonpland no Orinoco', pintura de Eduard Ender

Sua grande aventura: conhecer o mundo como pesquisador

Desde pequeno, Humboldt se interessou em colecionar insetos, pedras e plantas. Ele teve a sorte de crescer numa família abastada. Mesmo após a morte do pai, sua mãe conseguiu dar a ele e a seu irmão Wilhelm a melhor educação possível. Eles receberam aulas particulares de preceptores próximos ao pensamento iluminista. Sua formação universitária em Frankfurt do Oder, Berlim e Göttingen também foi abrangente: Economia do Estado, Ciências da Antiguidade, Medicina, Física e Matemática, Botânica. Mas Alexander von Humboldt não se especializou.

Humboldt conheceu Georg Forster, naturalista e navegador experiente, com quem empreendeu sua primeira viagem de pesquisa: partindo de Mainz, atravessando o Baixo Reno, até chegar à Inglaterra. Para o biógrafo Manfred Geier, "a experiência crucial aconteceu no mar". Foi o mar que o atraiu para longe, que o fez querer conquistar o mundo, afirmou o autor do livro Die Brüder Humboldt – Eine Biographie (Os irmãos Humboldt – Uma biografia; Editora Rowohlt, 2009).

Mas, primeiramente, Alexander von Humboldt fez uma carreira meteórica como funcionário público. Com bastante dinheiro herdado de sua mãe, falecida quando ele tinha 27 anos, Humboldt demitiu-se do serviço público e decidiu preparar-se para sua grande aventura: conhecer o mundo como pesquisador.

Viagem pelo continente americano

Os preparativos duraram três anos. Em 1799, Humboldt partiu para sua grande expedição científica de meia década pelo continente americano. Seus companheiros de viagem eram o botânico Aimé Bonpland e os mais modernos instrumentos de então. A desgastante viagem, na qual ambos correram risco de vida diversas vezes, os levou ao México, a Cuba, Venezuela, Colômbia, Equador e Peru.

Humboldt-Karte

Rota das expedições de Humboldt na América

Em 3 de agosto de 1804, Humboldt e Bonpland pisaram novamente em solo europeu. Ao desembarcarem na França, foram festejados freneticamente. A princípio, Humboldt decidiu permanecer em Paris. A Berlim prussiana não o atraía. Segundo seu biógrafo, Alexander von Humboldt era um boêmio que gostava de frequentar os salões e participar da sociedade, algo que pôde viver intensamente em Paris.

Foi por pressão do irmão, o educador, filósofo e diplomata Wilhelm von Humboldt, e por motivos financeiros, que o naturalista voltou ao seu país natal, onde passou o resto de sua vida a analisar os inúmeros animais, plantas, fósseis, pedras e anatoções que trouxe do continente americano. Sua obra mais famosa Cosmos (1845), que tomou 25 anos de sua vida, tornou-se um sucesso de vendas. Humboldt foi um dos homens mais conhecidos de seu tempo antes de vir a falecer aos 90 anos, em 1859.

Autora: Judith Hartl / Carlos Albuquerque

Revisão: Simone Lopes

Leia mais