1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Há 125 anos esperanto era criado como língua universal

No século passado motivos políticos dificultaram sua disseminação, mas agora, com a ajuda da internet, o esperanto está se tornando cada vez mais popular.

Ninguém sabe exatamente quantas pessoas falam o esperanto. As estimativas variam entre 500 mil e 2 milhões, em todo o mundo. Parte-se do princípio que a maioria delas viva na Europa: consta que só na Alemanha cerca de 100 mil falam a chamada "língua planejada".

O primeiro livro em esperanto foi publicado em 1887. O autor e criador da língua foi o médico e filólogo Ludwig Lazarus Zamenhof, de Bialystok, cidade na época localizada em território russo e hoje pertencente à Polônia. Ele queria criar um meio de compreensão que conectasse as pessoas das mais diferentes nações e regiões culturais e, assim, promover a paz no mundo.

Historiker Ulrich Lins

Historiador Ulrich Lins: esperantistas foram comparados a comunistas

Obstáculos políticos

O fato de, após 125 anos, a língua ter apenas algumas centenas de milhares de seguidores, se deve principalmente a obstáculos políticos, afirma o historiador Ulrich Lins, em entrevista à Deutsche Welle. Ele foi durante alguns anos o vice-presidente da Associação Universal de Esperanto. "Principalmente na Alemanha nazista e na União Soviética, a língua foi considerada perigosa, como um meio subversivo contra os respectivos interesses nacionais."

O esperanto era considerado um veículo potencial para se obter ou enviar informações para o exterior – grave crime na Alemanha nacional-socialista e na isolada União Soviética. Por esse motivo, os esperantistas foram perseguidos, explica Lins.

Embora as motivações dos aficionados do esperanto fossem as mais variadas, costumava tratar-se de gente com muito espírito de liberdade, cosmopolitas que se posicionavam contra o nacionalismo exacerbado. "O esperanto era algo para aqueles que queriam praticar um internacionalismo de base." Por isso, muitas vezes foram equiparados a socialistas e comunistas. Além disso, Zamenhof, o criador do esperanto, era judeu.

"Após a Segunda Guerra, o inglês ficou tão forte que o esperanto não teve mais nenhuma chance", acrescenta o historiador. Mas há alguns anos a "língua universal" registra um retorno. Através da internet, atualmente as possibilidades de se comunicar com gente de outras nações são maiores do que nunca. Para Lins, o esperanto seria o meio de superar as barreiras da língua.

Facilidade mundial de viajar

Rechte: privat

Roland Schnell desconsidera argumento de que poucos falam a "língua universal"

Essa experiência é confirmada por Roland Schnell. Ele é porta-voz da Associação do Esperanto de Berlim. O grupo possui cem membros, mas cerca de mil pessoas falam a língua na região, informa.

O desejo de viajar pelo mundo de forma mais barata é mais fácil de realizar com o esperanto, afirma Schnell. "O couchsurfing em esperanto está disponível desde 1974. E é usado com intensidade."

Por couchsurfing entende-se a possibilidade de pernoitar gratuitamente na casa de outras pessoas, através de uma rede internacional de hospitalidade. Muitas vezes, o conceito está aliado a outras coisas, como mostrar a cidade ao viajante. Roland Schnell não sabia falar francês, mas através do esperanto conseguiu rapidamente contatos na França.

Número de falantes não é decisivo

Kultur- und Kongresszentrum Esperanto in Fulda

Centro cultural e de convenções Esperanto em Fulda, Alemanha

O também presidente da fundação Europaverständigung (entendimento na Europa) considera pouco relevante o argumento de que o esperanto seria falado por bem menos pessoas que, por exemplo, o inglês ou o francês. "A soma não conta. Trata-se de disponibilizar de forma voluntária uma ferramenta de comunicação que todos possam usar."

Schnell enfatiza que o esperanto sempre mostrou sua utilidade prática. "Houve publicidade em jornais por parte de comerciantes de vinho, uísque e cigarros." A propaganda em jornais é, hoje, cada vez mais difícil, porque a importância da imprensa escrita diminui na era digital. Mas existem outras possibilidades, ressalta.

Atualmente, a associação berlinense de esperanto planeja colar cartazes em bicicletas, espalhadas pela cidade especialmente para esse fim. Em Varsóvia, não foram necessários cartazes: lá, venceu a proposta de denominar as 1.100 bicicletas de aluguel da cidade com a palavra em esperanto "Venturilo".

O apelo publicitário também se mostra eficaz no caso dos hotéis que utilizam o termo "esperanto" para ressaltar seu caráter internacional. Schnell não sabe dizer se é a esses êxitos que se deve o crescente número de falantes de esperanto: certo é que a língua encontra cada vez mais adeptos.

Autor: Günther Birkenstock (ca)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais