1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Há 100 anos nascia Hannah Arendt

O dia 14 de outubro marca o nascimento da filósofa natural de Hannover. Mais de 30 anos após sua morte, suas reflexões políticas ainda podem contribuir para a discussão sobre as causas do terrorismo mundial.

default

Hannah Arendt em foto de 1969

Hannah Arendt foi uma das maiores pensadoras do século 20. Suas argutas análises políticas lhe valeram distinções como o Prêmio Lessing de 1959 ou o Sonning de 1975, conferido pela Universidade de Copenhagen por mérito em prol da cultura européia.

Ela nasceu em Hannover em 14 de outubro de 1906 e foi estudar filosofia em Marburg. Seu professor era Martin Heidegger. Em breve, a estudante de talento extraordinário e o filósofo de fama mundial iniciavam uma ligação apaixonada.

Seu romance com o filósofo Martin Heidegger fez manchetes e até hoje fornece material para estudos biográficos. Os dois contam como um dos mais famosos casais de intelectuais, ao lado de Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

A judia e o nazista

Martin Heidegger

Martin Heidegger em 1970

Mas o mestre era casado, fato que fez a jovem decidir se mudar para Heidelberg, onde completou seu doutorado em 1928, sob a assistência da Karl Jaspers. Entretanto, a ascensão de Hitler ao poder na Alemanha alterou radicalmente a vida da filósofa de origem judaica.

"Na época repetia sem cessar uma frase que evoco agora: Se você é atacado como judeu, é preciso se defender como judeu. Não como alemão, ou cidadão do mundo ou pelos direitos humanos, ou algo assim. Mas sim, bem concretamente: o que eu posso fazer?", declarou durante uma entrevista à televisão, em outubro de 1964.

Quando Martin Heidegger se tornou o primeiro reitor nacional-socialista da Universidade de Freiburg, Hannah Arendt se afastou da filosofia e se engajou na resistência. Em meados de 1933, foi presa pela Gestapo, porém conseguiu escapar.

Profissão: teoria política

Pouco mais tarde, Arendt fugiu para Paris. Lá conheceu seu futuro marido, o também filósofo Heinrich Blücher, com quem emigraria para os Estados Unidos em 1941. Em Nova York, se iniciou sua verdadeira carreira: ela escreve para revistas, trabalha como revisora e professora universitária e em diversas organizações judaicas.

Em 1951 publicou seu revolucionário estudo, Origens do totalitarismo. Seguem-se outros escritos, entre os quais Vita activa, uma teoria da atividade política. Em Sobre a revolução, ela examinou as reviravoltas políticas radicais.

Certa vez, Arendt classificou sua profissão como "teoria política, se é que se pode falar em profissão". Seus livros a tornaram capa de revistas importantes, na qualidade de uma das grandes filósofas do século.

Riso polêmico

Em 1963 publicou Eichmann em Jerusalém, sobre o processo contra o criminoso nazista. Aqui Hannah Arendt cunha a famosa expressão "a banalidade do mal". O livro desencadeou uma longa e acirrada controvérsia.

Entre outros argumentos, a filósofa foi acusada de, com sua teoria da banalidade, minimizar os crimes dos nazistas e o sofrimento dos judeus. Em resposta, Arendt disse, de certa maneira, compreender que as pessoas levem a mal o fato de ela ainda poder rir.

"Mas eu realmente achava que Eichmann era um palhaço. Li, e com muita atenção, seu interrogatório policial, 3600 páginas. E não sei quantas vezes tive que rir, mas com vontade! As pessoas levam a mal essa minha reação."

Eichmann e os terroristas do século 21: uma relação?

Buchcover: Arendt, Johnson - Der Briefwechsel

A correspondência entre Arendt e o escritor Uwe Johnson em livro

O tema não a deixou mais em paz. Em 1965, fez uma palestra intitulada Sobre o mal, somente publicada no ano de seu centenário. O tema é o mal, diante do qual as palavras falham e o raciocínio fracassa.

Segundo Arendt, a origem dessa forma do mal está na própria recusa de pensar e julgar. Desta resulta uma incapacidade de – na qualidade de agressor potencial –, se ver no papel da vítima. Assim, Adolf Eichmann jamais considerou o destino dos judeus, cujo transporte e morte nos campos de extermínio ele organizara.

Da mesma forma, os terroristas suicidas não pensam nas vítimas de seus atos. Deste ponto de vista, se poderia ler hoje em dia a palestra de Arendt e seu livro sobre Eichmann como uma contribuição para o debate sobre as causas do terrorismo mundial.

Ousadia da exposição

Hannah Arendt faleceu em 4 de dezembro de 1975. A partir de sua própria experiência, como judia, durante toda a vida ela interferiu, se imiscuiu, sabendo que a irreflexão moral e política é o maior perigo. Por isso ela sempre procurou a "ousadia da exposição pública". A filósofa explica:

"Trata-se de se expor à luz pública, precisamente como pessoa. A segunda ousadia é: estamos iniciando algo, entrelaçamos nosso fio na rede das relações. No que isso resultará, não sabemos jamais. E concluindo, eu diria que essa ousadia só é possível com confiança nos seres humanos."

Leia mais