1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Guiné reabre escolas após diminuição dos casos de ebola

Governo retoma aulas depois de dez meses e adota diretrizes para proteger estudantes. Vizinho Mali é declarado livre da doença após 42 dias sem novas infecções. Vírus já matou mais de 8 mil na África Ocidental.

A Guiné reabriu nesta segunda-feira (19/01) as escolas do país, que estiveram fechadas nos últimos dez meses devido à epidemia de ebola.

O governo local decidiu recomeçar as aulas após o número de novas infecções ter diminuído substancialmente no país e a Comissão Nacional de Ebola ter publicado diretrizes de segurança para proteger crianças e adolescentes de infecções.

Todas as escolas públicas receberão desinfetantes para as mãos e termômetros, enquanto em escolas particulares os materiais terão que ser fornecidos pelos pais das crianças.

Somente na Guiné, 2.806 pessoas foram infectadas pelo vírus, das quais 1.814 morreram, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). O
país vizinho, Libéria, é o mais afetado pelo ebola, com aproximadamente 3.500 mortes. O governo liberiano planeja reabrir as escolas em fevereiro.

Enquanto isso, o Mali foi oficialmente declarado livre de ebola neste fim de semana, segundo a ONU e o governo local. "Não tivemos novos casos em 42 dias", escreveu a Missão das Nações Unidas para Resposta de Emergência ao Ebola no Twitter. "Saudamos todos os colaboradores que fizeram isso acontecer."

O Mali foi o sexto país do oeste africano a ser atingido pelo vírus. O último paciente se curou em 6 de dezembro passado. O prazo de 42 dias é necessário para que possíveis contatos sejam monitorados por dois períodos de incubação, de 21 dias cada.

O ebola já deixou cerca de 8.400 mortos na África Ocidental, segundo a OMS. Ao menos 21.200 pessoas foram infectadas.

PV/dpa/afp/ap

Leia mais