1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

"Gueto de ouro" na antiga Chicago

Hoje, vivem em Chicago 300 mil judeus. Os primeiros a chegar vieram da Alemanha no ano de 1841 e encontraram uma cidade ainda jovem, aberta a diversas possibilidades.

Em meados do século 19, a esquina das ruas Lake e Wells (foto acima) era o centro da vida judaica alemã em Chicago. Historiadores supõem que os primeiros imigrantes tenham chegado em 1841. Naquela época, a cidade tinha apenas 30 mil habitantes, que viviam, em sua maioria, da indústria madeireira e metalúrgica.

Muitos imigrantes judeus alemães ganhavam seu sustento, contudo, como vendedores ambulantes, levando mercadorias de casa em casa. Mais tarde, começaram a abrir pequenas mercearias ou lojas de roupas. E viviam, na maior parte dos casos, no andar de cima de seus estabelecimentos.

Cidade jovem e aberta

Deutsche Juden im frühen Chicago

Julius Rosenwald, empresário e mecenas

Na antiga Chicago, os judeus alemães eram apenas um entre os diversos grupos de imigrantes, ao lado de irlandeses, britânicos ou suecos. Eles eram aceitos na cidade e participavam da vida social e política nas esferas mais altas, o que era impossível para muitos judeus na Europa naquele momento.

"Os primeiros imigrantes judeus alemães encontraram uma cidade jovem e muito aberta", explica Libby Mahoney, curadora da exposição Shalom Chicago, que aborda a longa história da comunidade judaica da cidade no Museu Histórico de Chicago. "Não havia estruturas sociais solidificadas e por isso poucas barreiras ou obstáculos para os recém-chegados", diz Mahoney.

Neste contexto, os judeus de origem alemã encontraram todas as portas abertas. Muitos seguiram carreira no setor bancário, de seguros ou imobiliário. Eles se integraram perfeitamente à sociedade  norte-americana e ocupavam altos postos nos clubes e associações locais.

Os judeus alemães fundaram também a primeira sinagoga de Chicago e do estado de Illinois. O templo Kehilath Anshe Maariv, KAM (Comunidade dos Homens do Ocidente), ocupava uma pequena sala em cima de uma loja de roupas, na esquina das ruas Lake e Wells. Seu primeiro rabino era o ultraortodoxo Ignatz Kunreuther.

Homens de negócios bem-sucedidos

Deutsche Juden im frühen Chicago

Henry Greenebaum (1833-1914), um dos primeiros banqueiros influentes

Outra personalidade de destaque da comunidade judaico-alemã era Julius Rosenwald, presidente da Sears, Roebuck and Company, um grupo de lojas de varejo conhecido em Chicago. Sob a direção de Rosenwald, a "Sears", como a empresa ainda se chama até hoje, se tornou o maior varejista do mundo. Rosenwald usou sua influência como homem de negócios bem-sucedido para incentivar a criação de uma comunidade judaica na cidade.

Ele patrocinava entidades judaicas, mas também muitas outras, como escolas e museus. Em 1927, Rosenwald fundou e financiou, por exemplo, o Museu da Ciência e da Indústria da cidade, que está até hoje entre os maiores museus dedicados à tecnologia do mundo.

Até a virada do século 20, o número de judeus alemães em Chicago subiria para mais de 20 mil. Com 1,7 milhão de habitantes, a "cidade do vento" havia se transformado numa metrópole. Em 30 anos, ganhou mais de um milhão de habitantes. O crescimento galopante gerava também empregos.

"Com o crescimento da cidade, as empresas locais passaram a expandir seus negócios", diz Edward Mazur, presidente da Sociedade Histórica Judaica de Chicago. "Isso, por sua vez, aumentava a necessidade de empréstimos. Ou seja, o setor bancário era uma área promissora numa cidade em franca expansão. E alguns imigrantes judeus alemães souberam aproveitar essa situação", completa Mazur.

Elite e recém-chegados

Deutsche Juden im frühen Chicago

Em 1890, a sinagoga KAM mudou-se para a zona sul de Chicago

Com o passar do tempo, muitos judeus de língua alemã mudaram-se do centro para bairros melhores no sul da cidade. Por volta de 1900, surgia o que se chamava de "gueto de ouro", como cita o historiador Irving Cutler. Ali viviam famílias judias abastadas de origem alemã, que não gostavam de se misturar – sobretudo quando o assunto era casamento. Pois após 1880 começaram a chegar a Chicago cada vez mais judeus do Leste Europeu, especialmente da Rússia czarista. Em breve, eles já formavam quase 80% da população de judeus da cidade.

A elite no sul de Chicago separava-se dos recém-chegados, que permaneciam em sua maioria na zona oeste. As razões disso eram diversas, fala Mahoney. "Os judeus alemães tinham normalmente um nível de ensino mais alto e dispunham também de melhores recursos financeiros. Entre os judeus alemães, altamente assimilados, e os imigrantes do Leste Europeu, havia um abismo", completa Mahoney. Nunca houve, contudo, qualquer conflito concreto entre os dois grupos. E a distância entre eles diminuiu com o tempo.

Algumas comunidades judaicas se estabeleceram também na South Side, a zona sul da cidade. No lugar de uma sala claustrofóbica e pequena por cima de uma loja de roupas, a sinagoga KAM ganharia um prédio representativo, que refletia adequadamente a ascensão social de seus membros. Os judeus alemães fundaram no sul da cidade algumas instituições comunitárias, como o Hospital Michael Reese, que substituiu outro hospital financiado por judeus, destruído no grande incêndio na cidade em 1871. A nova clínica, contudo, era também aberta a pacientes de outras confissões religiosas.

Influências de judeus alemães são perceptíveis até hoje

Deutsche Juden im frühen Chicago

Imigrantes judeus do Leste Europeu em Chicago, por volta de 1900

E os habitantes judeus de origem alemã da cidade desempenharam um papel importante também na fundação da Universidade de Chicago, em 1890. "A University of Chicago tinha, como muitas universidades norte-americanas em suas fases de criação, grandes dificuldades financeiras", conta Mazur. O rabino mais influente naquela época era Emil G. Hirsch, que se empenhou muito pelo financiamento da universidade", acentua. Graças às influências de Hirsch, fluía dinheiro regularmente para a universidade. Hoje, ela é uma das mais renomadas universidades particulares dos EUA.

Mazur aponta que, naquela época, bastava olhar para o lado para se deparar com as influências dos judeus alemães na cidade. Muitas das grandes lojas de departamento foram criadas por judeus de origem alemã, E o mesmo vale em relação a museus e entidades culturais. Mahoney acentua que a onda de imigração posterior, durante o Holocausto da Segunda Guerra, não teria sido viável sem a infraestrutura que já havia sido criada para a comunidade judaica. Pois os judeus alemães, que chegaram a Chicago em meados do século 19, já haviam fincado ali raízes sólidas e profundas, contribuindo até hoje para a atmosfera viva desta metrópole.

Autor: Jan Bruck (sv)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais