Guerra na Ucrânia é ″improvável″, diz Putin | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.02.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Guerra na Ucrânia é "improvável", diz Putin

Presidente russo afirma que, assim como a Europa, a Rússia não está interessada em um conflito armado no leste ucraniano. Líder do Kremlin reitera que acordo de Minsk é a melhor maneira de estabilizar a região.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse em entrevista à televisão estatal russa, nesta segunda-feira (23/02), que uma guerra com a vizinha Ucrânia é "improvável". Putin também ressaltou seu apoio ao acordo de Minsk e reiterou que as medidas adotadas na capital da Bielorrússia são a melhor maneira de estabilizar o leste ucraniano.

Em sua entrevista, Putin foi perguntado se havia uma ameaça real de guerra, dada a situação no leste ucraniano. "Eu acho que um cenário tão apocalíptico é improvável e eu espero que isso nunca vá acontecer", respondeu o presidente russo.

Putin reiterou que, se o acordo de Minsk for implementado, o leste da Ucrânia iria "se estabilizar gradativamente". "A Europa está tão interessada nisso quanto a Rússia. Ninguém quer um conflito armado na borda da Europa, especialmente um conflito armado", concluiu o Putin.

Kiev vem alegando possuir evidências claras de que a Rússia estaria ajudando os separatistas no leste, algo que Moscou nega. Mais cedo, militares da Ucrânia disseram que um bombardeio rebelde impediu a retirada de armas pesadas da linha do front do combate.

Além disso, as reivindicações da Ucrânia de que membros da administração do Kremlin estariam por trás dos conflitos sangrentos em Kiev no ano passado são um "absurdo", segundo o líder russo.

Por outro lado, Putin também aproveitou a entrevista para afirmar que as pessoas da Crimeia já tomaram a sua decisão e que ele espera que esta seja respeitada. Em março de 2014, foi realizado um referendo sobre a anexação da Crimeia à Rússia. A adesão foi aprovada com 96,8% dos votos.

PV/afp/rtr

Leia mais