1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Gripe do frango: o lado insólito do medo

A descoberta de algumas aves mortas em dois Estados alemães inaugurou mais um capítulo na novela de pânico em torno da gripe do frango. Que toma proporções francamente grotescas.

default

Na noite de segunda-feira (24/10), uma equipe de bombeiros em trajes especiais retiraram os cadáveres de 22 gansos selvagens de um lago da Renânia-Palatinado. No dia seguinte, a morte de um pato e mais quatro gansos selvagens em Göttingen, Baixa Saxônia, também foi pretexto para medidas rigorosas de precaução.

Devido à suspeita de a causa da morte haver sido o vírus H5N1, da gripe aviária, os animais estão sendo autopsiados. Entretanto, segundo especialistas em veterinária e ornitologia, não há qualquer justificativa razoável para uma onda de histeria.

Seres humanos não são aves

Landesamt für Veterinärmedizin in Stendal sucht nach Virus der Vogelgrippe

Laboratorista pesquisa o vírus da gripe aviária

Em primeiro lugar, descobertas como as presentes seriam fenômeno comum. Segundo Tim Coppack, do Instituto de Pesquisa Ornitológica, de Wilhelshaven: "Estão sempre ocorrendo mortes em massa entre as aves de arribação". Existem numerosas moléstias aviárias desconhecidas, ou "pode ser que as chuvas impediram as aves de continuar migrando, e o alimento no local não foi suficiente", especula o ornitólogo.

Nenhum dos indícios divulgados até o momento aponta na direção da gripe do frango. Elke Reinking, do Instituto Friedrich Löffler, lembra que as aves da Renânia-Palatinado morreram entre cãibras intensas, um possível sintoma de envenenamento. Este pode ter sido causado por alimentos contaminados com fertilizantes agrícolas, ou pela bactéria do botulismo.

Apesar de todos os argumentos racionais, a população alemã está alarmada. Sobretudo após os casos confirmados do H5N1 na Croácia e no Reino Unido, os consumidores evitam a carne de aves, com medo do contágio. E no entanto bastaria ouvir o argumento de Susanne Glasmacher, do Instituto Robert Koch, afinal: "A gripe do frango continua sendo uma moléstia aviária".

Nada como a sóbria voz da razão.

Continue lendo sobre os aspectos curiosos do pânico europeu em torno da influenza aviária: o poder preventivo da sauna, o vírus que vem de avião e os lucros com o medo.

Leia mais