Greves de advertência paralisam a Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Greves de advertência paralisam a Alemanha

Aeroportos, jardins-de-infância, hospitais, limpeza pública, transportes e repartições públicas municipais param temporariamente na Alemanha. Em Berlim, transporte público entra em greve por tempo indeterminado.

default

Transportes municipais foram afetados com a paralisação

Com greves de advertência em toda a Alemanha, nesta quarta-feira (05/03), Ver.di e outros sindicatos de serviços querem pressionar um aumento salarial de 8% para os 1,3 milhão de servidores públicos federais e municipais do país.

Na próxima quinta-feira, inicia-se em Potsdam a quinta e, por enquanto, última rodada de negociações. Até agora, não houve consenso. Os empregadores oferecem somente 5% de aumento salarial, sob a condição de que a carga horária de trabalho, nos estados do Leste alemão, aumente de 38,5 para 40 horas.

A paralisação afetou os transportes públicos municipais, hospitais, limpeza pública e repartições públicas municipais. Somente no estado da Renânia do Norte-Vestfália, um total de 67 mil funcionários da administração pública municipal e federal deixou de trabalhar nesta quarta-feira.

Cancelamento de vôos

Warnstreik der Gewerkschaft ver.di Reisende am Flughafen Düsseldorf warten auf die Abfertigung.

Em Düsseldorf, foram cancelados 60 vôos

Nos aeroportos, os trabalhos foram retomados no período da tarde. Devido à paralisação, no entanto, o resto do dia ficou comprometido em muitas localidades. Só a Lufthansa teve que cancelar 300 de seus 1200 vôos internos.

Vôos intercontinentais não foram afetados, informou um porta-voz da companhia. A companhia aérea Air Berlin cancelou 30 vôos. Somente os aeroportos de Berlim, Leipzig-Halle e Erfurt não paralisaram suas atividades.

No Aeroporto de Frankfurt, cerca de 2 mil empregados deixaram de trabalhar no período da manhã. Cerca de 180 funcionários do Aeroporto de Munique cruzaram os braços a partir das 5 horas da manhã. Em Düsseldorf, a paralisação a partir das 4 horas da manhã provocou o cancelamento de 60 vôos.

Greve por tempo indeterminado

Já na capital alemã, os funcionários da Companhia Berlinense de Transportes Coletivos (BVG) entraram em greve por tempo indeterminado. Ônibus, metrôs e bondes ficaram parados nas garagens. Caso os empregadores não ofereçam nenhuma contraproposta, a greve deverá durar, a princípio, até 14 de março próximo.

O sindicato demanda aumento salarial de 12% para os 12,5 mil empregados da BVG. Os empregadores oferecem um aumento escalonado de 6%, até 2010, somente, no entanto, para aqueles empregados a partir de 2005.

Os trens regionais ainda funcionam em Berlim. No entanto, após o fracasso das negociações entre o Sindicato dos Maquinistas Alemães (GDL) e a companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn, o sindicato dos maquinistas conclama seus filiados para uma nova greve.

Leia mais