Greve de trens na Alemanha será encerrada 34 horas antes do previsto | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.11.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Greve de trens na Alemanha será encerrada 34 horas antes do previsto

Embora a Justiça tenha assegurando a legalidade da paralisação, maquinistas decidem voltar ao trabalho no fim da tarde de sábado, e não mais na segunda-feira. Grande parte da população não aprova a greve.

default

Com o cancelamento de trens regionais, muitos passageiros optaram pelo metrô em Berlim, lotando estações

A maior paralisação do sistema ferroviário da Alemanha será encerrada 34 horas antes do previsto inicialmente pelos grevistas. Segundo anunciou nesta sexta-feira (07/11) o presidente do Sindicato dos Maquinistas Alemães (GDL, sigla em alemão), Claus Weselsky, a greve terminará às 18h deste sábado, e não mais às 4h de segunda-feira, como havia sido anunciado inicialmente.

A decisão deverá facilitar a ida de visitantes para a capital alemã no domingo, quando a cidade sedia eventos em comemoração aos 25 anos da queda do Muro de Berlim.

As sucessivas paralisações dos maquinistas – esta é a sexta convocada pelo GDL desde setembro – têm sido alvo de críticas por parte dos cidadãos alemães. Segundo uma pesquisa publicada nesta quinta-feira, 51% da população não apoia a greve, enquanto 46% afirmam compreender os grevistas.

A Deutsche Bahn, que opera o serviço ferroviário na Alemanha, afirmou que pretende restabelecer a normalidade do atendimento aos passageiros o quanto antes, assim que a greve for encerrada no sábado. A empresa admite, porém, que dada a complexidade do sistema interestadual, no domingo o serviço ainda estará funcionando de maneira limitada.

O anúncio da antecipação do fim da greve ocorreu horas depois de o Tribunal Regional do Trabalho do estado de Hessen reconhecer a legalidade da greve e rejeitar, em segunda instância, um pedido da Deutsche Bahn para tentar suspender a paralisação.

Após o anúncio do veredicto, as duas partes tentaram voltar a negociar, mas não houve avanços, porque ninguém cedeu nas exigências principais. Mesmo assim, o sindicato anunciou a redução do período de greve.

A paralisação começou nesta quarta-feira, afetando inicialmente serviços de carga. Na noite de quinta-feira, foi a vez dos trens de passageiros. Apenas um terço dos trens de longa distância e entre 15% e 60% dos trens regionais, dependendo do estado, estão rodando.

Melhores condições de trabalho

Nesta sexta-feira, cerca de 500 membros do GDL participaram de um protesto em frente à sede da Deutsche Bahn em Berlim. Há dois dias, o sindicato rejeitou uma oferta de acordo com a empresa. O sindicato pede um aumento salarial de 5%, além de uma redução na carga horária de trabalho semanal para 37 horas.

A União dos Transportes e Linhas Férreas critica a crescente sobrecarga dos funcionários que trabalham na rede ferroviária. Segundo a federação, o número de licenças médicas tem aumentado drasticamente nos últimos anos. Em alguns lugares, as licenças chegam a 35% do número de funcionários, especialmente entre as pessoas que trabalham no atendimento ao cliente nas estações de trem.

MSB/dpa/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados