1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Greve de maquinistas complica a vida de milhões na Alemanha

Paralisação planejada para durar até domingo impediu milhões de passageiros de viajar em todo o país e, segundo especialistas, pode reduzir crescimento da economia.

default

Terminais de trem na estação central de Colônia no primeiro dia da paralisação

Milhões de pessoas tiveram dificuldades para se deslocar nesta terça-feira (05/05) em toda a Alemanha por causa da greve dos maquinistas da empresa ferroviária Deutsche Bahn (DB). Nas linhas de longa distância, apenas um terço dos trens estava em operação. Nas linhas regionais, a disponibilidade variou de 15% a 60%, dependendo da região.

O movimento atingiu com mais força os trens de mercadorias e o leste do país. Entre as regiões mais afetadas estão Berlim, Halle, Frankfurt e Mannheim. Na região de Halle, Leipzig e Dresden, somente 15% dos trens regionais, que interconectam as cidades e localidades dessa região, estavam operando.

A greve começou nesta segunda-feira, com o transporte de cargas, e foi ampliada nas primeiras horas desta terça-feira para o serviço de passageiros. A paralisação deve durar até domingo, o que pode torná-la a mais longa da história da empresa desde a privatização, em 1994. Desde que começou a disputa salarial entre maquinistas e a DB, já houve oito interrupções do serviço ferroviário na Alemanha.

Por causa da greve, muitas pessoas decidiram ir de carro para o trabalho, o que tornou o trânsito mais lento nos grandes centros urbanos.

O Sindicato dos Maquinistas Alemães (GDL, sigla em alemão) exige um aumento salarial de 5% e que a carga horária semanal seja reduzida em uma hora. A última oferta da Deutsche Bahn, de 4,7% de aumento e um pagamento único de 1.000 euros, foi rejeitada. Segundo o jornal Bild, a DB deve fazer uma nova proposta aos maquinistas nesta quarta-feira, visando um acordo com a categoria.

Economistas alertam que a greve pode desacelerar o crescimento da economia alemã. O custo da greve pode totalizar 750 milhões de euros caso ela dure mesmo uma semana, encolhendo o Produto Interno Bruto no segundo trimestre em 0,1 ponto percentual, segundo Stefan Kipar, economista do banco do BayernLB, sediado em Munique.

Já Jörg Zeuner, economista-chefe do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW), disse que a greve apresenta um risco concreto. "Considerando a produção just in time e a imensa importância das ferrovias na entrega de mercadorias no país, a greve pode nos custar algum crescimento no segundo trimestre", disse.

MD/rtr/ap

Leia mais