1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Greve contra política econômica de Kirchner tem grande adesão

Sindicatos dizem que milhões de trabalhadores aderiram à manifestação, que paralisou o transporte público, cancelou voos e bloqueou acessos às principais cidades na Argentina.

default

Policiais acompanham protesto de trabalhadores nas proximidades de Buenos Aires

Uma greve geral contra a política econômica da presidente Cristina Kirchner, convocada por sindicatos de trabalhadores, deixou nesta quinta-feira (10/04) as ruas de Buenos Aires e de outras importantes cidades da Argentina praticamente desertas. Desde as primeiras horas do dia, a paralisação afetou os serviços de metrô, trens e ônibus, o que impediu muitos argentinos de saírem de casa.

A manifestação, que também afetou hospitais, escolas, bancos e vários setores da economia, foi convocada pela Central Geral de Trabalhadores (CGT), comandada pelo líder do sindicato dos caminhoneiros, Hugo Moyano (que até 2011 era aliado do governo); pela CGT Azul e Branca, de Luis Barrionuevo; e pela Central de Trabalhadores da Argentina (CTA), liderada por Pablo Micheli.

"Milhões de trabalhadores aderiram à greve", afirmou Juan Carlos Schmid, secretário-geral do sindicato de trabalhadores do setor de dragagem e dirigente da CGT. De acordo com ele, a paralisação foi muito forte.

Por sua vez, o chefe de gabinete do governo argentino, Jorge Capitanich, considerou o movimento "um grande piquete nacional com a paralisação dos transportes", liderado por sindicalistas que fazem parte da oposição à Kirchner. Ele disse que a paralisação tem motivos políticos.

Bloqueio de rodovias

Cristina Fernandez de Kirchner 19.03.2014 Paris

Sindicatos pedem que Kirchner diminua efeitos da inflação

Mais de 30 associações de transporte aderiram à greve e, por essa razão, o transporte público, de mercadorias e fluvial não funcionou na maioria das cidades do país. Somado aos bloqueios de avenidas, acessos a cidades e rodovias, os piquetes paralisaram grande parte da atividade no país e geraram confrontos entre policiais e manifestantes.

De acordo com o jornal oposicionista Clarín, a rota Panamericana, principal via de acesso a Buenos Aires, amanheceu bloqueada. Houve confronto entre policiais, que dispararam balas de borrachas, e manifestantes, que responderam jogando pedras. Pelo menos uma pessoa foi detida e duas ficaram feridas.

A greve geral afetou também voos nacionais e internacionais. Várias companhias aéreas, como Aerolíneas Argentinas, Austral e LAN, cancelaram seus voos principalmente a partir do aeroporto Jorge Newbery (Aeroparque), localizado no centro de Buenos Aires.

Entre as brasileiras, a TAM anulou cinco voos – dois que partiam de Guarulhos para o Aeroparque e três que faziam a rota inversa. A Gol não divulgou quantos voos foram afetados pela greve, mas sua página na internet informa que dois voos de São Paulo ao aeroporto Jorge Newbery foram cancelados, e outros três com destino ao aeroporto Ministro Pistarini (Ezeiza) estavam atrasados.

Inflação supera 30%

Generalstreik in Argentinien 10.04.2014

Policiais numa estrada bloqueada perto de Buenos Aires

A greve ocorre às vésperas do início das paritárias, que são as negociações entre sindicatos e empresários por aumentos salarais que, na Argentina, são aprovados pelo Ministério do Trabalho. O sindicato dos bancários já acertou um aumento de 29% e não aderiu à paralisação. Mas outros líderes sindicais exigem aumentos superiores, sem ter que negociar dentro de parâmetros estabelecidos.

Esta é a segunda greve geral contra o governo de Cristina Kirchner desde que ela assumiu a presidência, em dezembro de 2007. A paralisação foi convocada por centrais sindicais de oposição ao governo para pedir medidas que diminuam os efeitos da inflação, que neste ano já supera 30%, segundo institutos de pesquisa privados.

Além das negociações sem teto máximo, os sindicatos querem aumento para os aposentados, revogação do imposto aplicado aos salários e distribuição de fundos que o Estado deve aos prestadores de saúde dos sindicatos.

Tradicionalmente, os sindicatos apoiaram os governos peronistas (do Partido Justicialista, fundado na década de 1950 pelo ex-presidente Juan Perón). Moyano foi aliado do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e de sua viúva, a atual presidente Cristina Kirchner, até 2011, quando decidiu passar para a oposição.

FC/afp/rtr/dpa/abr

Leia mais