1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Gregos expatriados temem saída da zona do euro

Imigrantes radicados na Alemanha vivem dilema sobre crise na Grécia. É difícil tomar partido em meio a desejo de defender tanto compatriotas quanto país que os acolheu. Para muitos, Europa não pode existir sem Atenas.

"É possível ter alguma opinião sobre a crise?", grita Theo enquanto coloca jornalistas para fora de seu restaurante grego em Bonn, na Alemanha. O homem – cujo nome alterado nesta reportagem – se recusa a dizer algo sobre Atenas, fechando os olhos e tapando os ouvidos ao escutar o nome Tsipras.

Nesta semana, a Grécia não honrou uma dívida de 1,6 bilhões de euros com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e caminha a passos largos em direção à falência. A disposição dos líderes da zona do euro de chegar a um acordo está diminuindo, e um referendo no próximo domingo vai decidir se os gregos apoiam as propostas do primeiro-ministro, Alexis Tsipras, ou estão do lado da União Europeia.

Diante desse cenário volátil, descobrir o que os gregos que vivem na antiga capital alemã pensam sobre os problemas do país de origem pode ser uma tarefa difícil.

"Você pode falar para o mundo inteiro que meus empregados e eu apoiamos a União Europeia e o que o Banco Central Europeu propôs à Grécia", diz Alex, proprietário de um restaurante às margens do rio Reno. Ele espera que o resultado do referendo de domingo seja a favor das propostas da União Europeia e que Tsipras seja obrigado a renunciar.

Crise afeta a população

Nikos nasceu na Grécia e vende gyros, também conhecido como churrasco grego, no subúrbio de Bonn. O jovem de 26 anos se considera mais alemão do que grego. "Os gregos são preguiçosos", lamenta, acrescentando que na Grécia o que importa é ter ligações com as pessoas certas. "O 'Q.I' é a única coisa que funciona", diz.

Entretanto, Nikos tem consciência dos problemas que estão incomodando seus familiares que vivem em Tessalônica, a segunda maior cidade grega. Ele guarda dinheiro para enviar aos primos, já que muitos deles não têm o suficiente nem para comprar comida.

"Muitas crianças vão à escola sem ter comido nada em casa", diz Sokratis Ntallis, arcipreste da Igreja Ortodoxa Grega em Bonn. "A igreja disponibiliza alimentos e roupas para essas pessoas", afirma. A instituição na Alemanha coopera com a Igreja Ortodoxa da Grécia para ajudar aqueles que precisam, com roupas e alimentos. Isso inclui jovens, muitos dos quais foram levados a cometer suicídio por não conseguirem lidar com a instabilidade financeira.

Deutschland Sokratis Ntallis Griechisch-Orthodoxe Metropolie in Bonn

"Muitas crianças vão à escola sem ter comido nada em casa", diz Sokratis Ntallis

Dificuldade de tomar partido

Elena Aliki Papyorou acredita levar uma vida bem mais tranquila na Alemanha do que a que se leva hoje na Grécia. A tradutora profissional de Atenas vive há quase dez anos em Bonn, e as notícias do país natal têm sido bem deprimentes. "Muitos dos meus amigos se mudaram de lá para procurar emprego e um futuro melhor. Eles não foram afetados somente financeiramente. A qualidade de vida também foi abalada. Eles trabalham muito por pouco dinheiro", diz.

Para ela, o povo grego tem uma grande responsabilidade pelo que acontece hoje no país. "A corrupção tem sido desenfreada nos últimos 50 anos e é simplesmente transferida de um governo para o outro", afirma, destacando que os gregos não pensaram em quem estavam votando. "Agora as pessoas terão de usar a cabeça", espera.

Isso não é exatamente o que alguns gregos em Bonn gostariam de fazer no momento. Para muitos, como Alex, expressar a própria opinião pode significar um mau negócio.

"Da última vez que o mercado financeiro quebrou, em 2008, falamos com muitos jornalistas de diferentes veículos. Depois de uma semana, perdemos cerca de 10% dos nossos clientes", diz. Ele reconhece que restaurantes têm seus altos e baixos, mas diz que, desde o começo do ano, vários clientes simplesmente pararam de vir.

Assim como Alex, a maior parte dos gregos em Bonn sente que ter opinião sobre as finanças da Grécia é uma tarefa difícil. No próximo domingo, o país vai ter que decidir cuidadosamente qual é o melhor caminho. A saída da zona do euro está fora de cogitação para os expatriados, que dizem que a Europa não pode existir sem a Grécia. "Europa é uma palavra grega", resume Alex em uma frase.

Leia mais