1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Grego será novo vice-presidente do BCE

Loukas Papademos venceu a primeira etapa para ser o primeiro grego a ocupar um alto cargo financeiro na UE. Os ministros das Finanças foram a favor de sua nomeação para a vice-presidência do Banco Central Europeu.

default

Presidente do BC grego ao apresentar as notas e moedas do euro

Os ministros das Finanças da União Européia pronunciaram-se favoráveis à nomeação do presidente do BC da Grécia, Loukas Papademos, para vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE). Somente a Bélgica, que apresentou candidato próprio, o cientista econômico Paul De Grauwe, absteve-se na votação, informou o ministro alemão, Hans Eichel, neste sábado (13), à margem do encontro informal, em Oviedo, na Espanha. Eichel, para quem "a escolha é muito positiva", conta com uma resolução da UE em breve a favor de Papademos.

Os ministros do exterior da comunidade dos 15 vão tratar também da questão na próxima segunda-feira (15), em Luxemburgo. Espera-se que a Bélgica vote então a favor do favorito. Fato é que a presidência espanhola da UE fracassou na tentativa de conseguir um voto unânime. Em Oviedo também houve uma pane no sistema de informação, que causou um certo constrangimento. A presidência espanhola divulgou antecipadamente o voto favorável a Papademos em sua página oficial na internet, provocando estranhamento.

Em seu país, Loukas Papademos é tido como o arquiteto do ingresso da Grécia na União Monetária Européia, o que poucos consideravam provável. Como vice-presidente do BCE, ele seria o primeiro grego a ocupar um cargo nos altos escalões financeiros da UE. O mandato é de oito anos. Após o voto dos ministros do Exterior, também devem se posicionar o Parlamento Europeu e o conselho do Banco Central Europeu.

Confiança na recuperação econômica

Os ministros das Finanças da UE estão confiantes na recuperação da conjuntura econômica. Os presidentes dos bancos centrais europeus também contam com uma retomada do crescimento ainda este ano, informou Ernst Weltecke, o presidente do BC alemão. Não apenas os indicadores da confiança na economia apontariam essa tendência, como também "dados concretos", segundo Weltecke. A recuperação, porém, está sujeita a riscos, como as oscilações dos preços do petróleo, o resultado das negociações salariais e uma certa insegurança que ainda persiste no desenvolvimento da conjuntura econômica nos EUA.

A alta do petróleo não é razão para o BCE mudar sua política monetária, indicou seu presidente, o holandês Wim Duisenberg, após o encontro na Espanha. A principal taxa de refinanciamento bancário é de 3,25% na zona do euro, permanecendo inalterada desde novembro de 2001. Duisenberg espera uma taxa anual média de inflação abaixo de 2% este ano e no próximo.

Protesto - Em Oviedo, milhares de pessoas participaram de um protesto contra a globalização, vindas em diferentes passeatas de várias cidades da região de Astúrias, no norte da Espanha. Os organizadores calcularam 15 mil participantes, a polícia espanhola, 5.000.