1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Greenpeace denuncia 26 empresas europeias por compra de madeira ilegal da Amazônia

Relatório divulgado pela organização ambientalista rastreou compra e venda de produtos da floresta a partir de informações divulgadas pela operação Madeira Limpa. Pelo menos cinco países da UE importam madeira ilegal.

A venda ilegal de madeira da Floresta Amazônica brasileira foi rastreada até a Europa. Em relatório divulgado nesta quinta-feira (12/11), o Greenpeace denuncia a compra de madeira ilegal amazônica por 26 empresas da União Europeia (EU) – o maior mercado consumidor de madeira amazônica legalizada, responsável por 37,89% das compras, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio.

Os dados que serviram para a base das investigações do Greenpeace são oriundos da operação Madeira Limpa, deflagrada pela Polícia Federal e o Ministério Público Federal de Santarém (PA) no final de agosto. Na ocasião, a Madereira Iller (única madeireira entre as três empresas denunciadas) foi fechada e seus proprietários, presos.

O Greenpeace fez um levantamento para rastrear o destino final da madeira vendida pela empresa e identificou seus clientes, que compravam o produto de forma ilegal. Entre eles estão 26 empresas de diferentes países europeus, que compraram a madeira brasileira nos últimos 18 meses. Segundo o relatório, as importadoras europeias desrespeitam as regras para entrada de madeira no território europeu.

Regras da UE

Em março de 2013, a União Europeia criou normas para a entrada de madeira nos países do bloco. A regulamentação (EUTR, na sigla em inglês) proíbe a importação de madeira extraída ilegalmente e ainda exige que os produtos importados sejam rastreados, de forma a manter informações atualizadas sobre sua origem.

Entre as empresas investigadas pelo Greenpeace, apenas uma completou os processos de rastreamento e cancelou a importação da Iller já antes da operação Madeira Limpa. Para os ambientalistas, porém, a ilegalidade da madeira deveria estar clara para os demais compradores.

O relatório ressalta o fato de a Madeireira Iller já ter pago ao Ibama quase R$ 1,9 milhão em multas acumuladas nos últimos quatro anos (não há, porém, detalhes dos tipos de irregularidades cometidas). Além disso, a serraria da empresa foi incluída na "lista suja" do Ministério do Trabalho por utilizar mão-de-obra escrava.

Outro fato destacado é que o volume de vendas de ipês declarado pela Iller costumava superar a média de espécimes por hectare que seria normal para cada região de exploração – indício de que havia problemas com a documentação.

A operação

Em agosto deste ano, a Operação Madeira Limpa denunciou uma rede de comércio ilegal da madeira amazônica. Mais de 30 pessoas, incluindo funcionários públicos, foram presas – 21 delas acusadas pelo Ministério Público Federal de práticas fraudulentas, como a criação de créditos florestais falsos.

No esquema exposto pela investigação, três núcleos foram desmantelados. Um grupo chamado de "papeleiros" criava créditos florestais ilegalmente para as empresas que recebiam a madeira ilegal. Outro grupo desmatava ilegalmente em assentos de reforma agrária com permissões de funcionários do Incra. O terceiro grupo, formado por agentes de órgãos ambientais, vendia informações sobre as próximas fiscalizações – entre as entidades, foram presos membros da Secretaria do Meio Ambiente do Pará (Semas) e do Ibama.

Confira o relatório completo e a lista das empresas denunciadas pelo Greenpeace.

Leia mais

Links externos