Greenpeace apresenta queixa contra crédito alemão para Equador | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 04.04.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Greenpeace apresenta queixa contra crédito alemão para Equador

Organização ambientalista entra com queixa junto a Secretarias Estaduais contra crédito concedido por banco da Renânia do Norte-Vestfália para construção de oleoduto no Equador.

default

Nesta quinta-feira (04), a organização ambientalista Greenpeace deu início a um processo judicial contra o Westdeutsche Landesbank, apresentando queixa junto às Secretarias da Fazenda, da Economia e do Interior do estado da Renânia do Norte-Vestfália.

Com a concessão de um crédito para a construção de oleoduto no Equador, o banco estadual infringe os acordos internacionais de proteção do meio ambiente e suas próprias normas, argumenta o Greenpeace. O regulamento do banco obriga a considerar o bem público nas negociações econômicas.

Michaela Braun, especialista em florestas do Greenpeace, disse: "Na conferência dos países que ratificaram a convenção da diversidade biológica, o governo estadual da Renânia do Norte-Vestfália precisa suspender o crédito, que é ecologica e socialmente intolerável." Nesta conferência, no domingo (07) em Haia, deve ser aprovado um programa de proteção da floresta para os próximos dez anos.

O projeto do oleoduto no Equador resulta em intervenções graves na natureza de um dos últimos espaços vitais originários do mundo, afirma o Greenpeace. A extensão planejada do oleoduto é de 500 quilômetros através da floresta equatoriana. Essa construção devasta, além da própria natureza, o habitat de animais ameaçados de extinção e de povos indígenas.

Além disso, existe o risco de contaminação da água e do solo através de acidentes com petróleo, provocados por terremotos e erosões. No início do março, o Ministério do Meio Ambiente equatoriano já conseguiu uma suspensão temporária da construção na região do Guarumos, perto do Quito, depois que peritos atestaram graves estragos da natureza.

Links externos