Gravações revelam ajuda financeira de partidos ao MBL | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Gravações revelam ajuda financeira de partidos ao MBL

Movimento que se diz apartidário recebeu recursos de PMDB, Solidariedade, PSDB e DEM para impulsionar protestos a favor do impeachment. Partidos teriam pagado também viagens de manifestantes a Brasília.

default

MBL foi uma das principais vozes do protesto do dia 13 de março

Gravações divulgadas nesta sexta-feira (27/05) pelo site de notícias Uol revelaram que o Movimento Brasil Livre (MBL), que organizou diversos atos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff, recebeu dinheiro de partidos políticos, como PMDB, Solidariedade, PSDB e DEM.

Fundado em 2014, o MBL se declara apartidário e afirma ter sido criado para combater a corrupção. O movimento acabou se tornando uma das principais vozes a favor do afastamento de Dilma e organizou diversos protestos a favor do impeachment pelo país. Para manter a estrutura, a entidade, da qual faz parte o ativista Kim Kataguiri, pede doações em seu site.

Apesar de o MBL defender o seu caráter apartidário, as gravações obtidas pelo Uol revelaram uma aproximação do movimento com partidos da oposição. Segundo o Uol, o MBL recebeu apoio financeiro de partidos para impressão de panfletos, aluguel de carro de som e de ônibus para levar manifestantes a protestos, além de pagar lanches para os viajantes.

O apoio ao movimento não ficou somente em recursos financeiros. Numa gravação de fevereiro, Renan Antônio Ferreira dos Santos, coordenador do MBL, afirma ter feito um acordo com partidos para a divulgação dos protestos do dia 13 de março.

A reportagem revelou que o apoio de partidos da oposição ao MBL, nos protestos contra Dilma, ocorreu em três frentes. O Solidariedade, além de financiar carros de som, teria, junto com DEM, disponibilizado sua estrutura para divulgar os protestos de 13 de março. O PMDB teria pagado pela impressão de panfletos com a inscrição "Esse impeachment é meu", slogan do MBL. Já o PSDB teria financiado a viagem de manifestantes a Brasília para o protesto de 11 de maio, dia da votação no Senado da admissibilidade do processo contra Dilma.

A versão do MBL

Procurados pelo site, o PMDB negou trabalhar em parceria com MBL. O PSDB disse que houve uma tentativa de parceria com o movimento, mas que ela não chegou a ser concretizada. Já DEM e Solidariedade confirmaram a atuação em conjunto no protesto de 13 de março.

Em nota, Renan Antônio Ferreira dos Santos, do MBL, confirmou a autenticidade das gravações e disse que lideranças de vários partidos integravam o comitê do impeachment. "As manifestações não são do MBL. 13 de Março pertence a todos os brasileiros, e nada mais natural que os partidos de oposição fossem convidados a usar suas redes de divulgação e militância para divulgar a data. Não houve nenhuma ajuda direcionada ao MBL", disse, ressaltando que a aproximação com as lideranças políticas foi fundamental para o afastamento de Dilma.

Leia mais