Grandes cortes de pessoal podem ser inevitáveis em 2009, diz líder patronal | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 25.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Grandes cortes de pessoal podem ser inevitáveis em 2009, diz líder patronal

Há pouco, líderes empresariais alemães garantiram à premiê evitar a eliminação postos de trabalho em larga escala, apesar da recessão. Agora Jürgen Thumann, da BDI, avisa que nem todas poderão cumprir a promessa.

default

Poucas garantias para assalariados

Apesar das garantias em contrário feitas ao governo, dificilmente as grandes empresas alemãs poderão evitar cortes de pessoal em 2009. A declaração foi feita nesta quinta-feira (25/12) pelo presidente da Federação da Indústria Alemã (BDI), Jürgen Thumann.

Nos últimos meses de 2008, a Alemanha vem lutando contra o fantasma de uma recessão anunciada. Durante um encontro com a chanceler federal alemã, Angela Merkel, no início de dezembro, os representantes das principais corporações do país prometeram que tentariam evitar a eliminação postos de trabalho em larga escala.

Esta seria sua contribuição para o pacote conjuntural de Berlim, voltado ao estímulo e recuperação da economia do país, em face da crise global. "Isso cria confiança", comentou Thumann na ocasião.

Ao contrário de suas irmãs maiores, as pequenas e médias empresas alemãs reagiram com frieza ao apelo de Merkel, declarando-se céticas quanto ao valor de comprometimentos dessa ordem, em circunstâncias econômicas tão voláteis quanto as atuais.

Promessas vazias?

Jürgen Thumann, BDI-Präsident

Jürgen Thumann

Agora, em entrevista à agência de notícias DPA, o presidente da BDI admitiu que nem todas as companhias estarão aptas a seguir o curso prometido, em decorrência dos recentes prognósticos de desaquecimento econômico. "Uma queda drástica do número de encomendas significa que muitas firmas serão forçadas a reduzir sua força de trabalho", antecipou.

O comentário de Thumann vem no momento em que o governo de Berlim começa a elaborar um novo pacote de apoio à conjuntura, calculado entre 25 e 30 bilhões de euros. Muitos economistas e think tanks estão temerosos quanto às perspectivas econômicas da Alemanha em 2009. O país já se encontra em recessão e certos especialistas prevêem que seu desempenho econômico será o pior do pós-guerra.

Esperando Obama

No início de novembro, Berlim já liberara um primeiro conjunto de medidas para minorar as conseqüências da recessão global, totalizando 31 bilhões de euros. O novo pacote, contudo, não será finalizado antes que o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, revele suas propostas para garantir o crescimento da maior economia do mundo, após assumir o cargo no início do próximo ano.

Está anunciado também para janeiro um novo encontro entre Merkel e os líderes empresariais alemães, a fim de discutir as ofertas destes últimos para a garantia de empregos.

Na entrevista à DPA, Thumann afirmou ser ainda muito cedo para prever os reais efeitos da crise global sobre a economia alemã. Entretanto, ressalvou, é importante que a comunidade internacional dê novo ímpeto às conversações de alto nível, atualmente estagnadas, no sentido de elaborar um novo acordo econômico mundial.

Leia mais