1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Grama dos estádios da Copa não agrada a todos

Jogadores e treinadores reclamam do gramado dos campos administrados pela Fifa durante o evento. Uma questão de opinião, segundo o responsável oficial pela grama da Copa, Engelbert Lehmacher.

default

Grama gera controvérsias

A Fifa investiu milhares de euros contratando empresas holandesas e alemãs especializadas em gramados, mas o piso da maioria dos 12 campos utilizados na Copa do Mundo recebe reclamações a cada partida.

É comum ver o quanto os jogadores escorregam em campo e como surgem facilmente manchas pelos gramados. As críticas vêm tanto dos atletas quanto dos técnicos.

Para Michael Ballack, a grama é muito escorregadia. "Todos precisam lutar contra ela", diz o capitão da seleção alemã. Zico, treinador do Japão, disse que o gramado não é aparado o suficiente. E o atacante holandês Ruud van Nistelrooy torce o nariz para o campo de Leipzig, cuja grama julga ser muito "dura". Sua sugestão: que se regue o gramado antes de cada jogo.

Para saber até que ponto as opiniões são verdadeiras, a DW-WORLD entrevistou Engelbert Lehmacher, responsável pela manutenção do gramado nos estádios administrados pela Fifa nesta Copa. Ele não consegue assimilar as críticas. "Nós estamos contentes com o que temos e acreditamos que a nossa grama oferece as melhores condições aos jogadores", afirmou.

Uma grama "ajustável"

BdT Fußball WM Rasen wird in Dortmund gelegt

'Ajustável' para atender às condições de todos os estádios

O especialista em grama explica que os campos cuidados pela Fifa são feitos de uma mistura de 70% de capim do prado ( poa pratensis) e 30% de capim de azevém ( lolium perenne).

"O capim do prado é muito firme, porque tem raízes muito fortes e dá firmeza ao gramado". A acusação de que a grama é muito longa também é contestada por Lehmacher. "O que se recomenda são 28 milímetros. A grama nos estádios tem agora um comprimento de 26 a 27 milímetros", contou.

Lehmacher também afirma que cada estádio impõe condições diferentes no que diz respeito à luz ou à umidade. "Por isso, nós precisamos escolher uma grama que se ajustasse a todos os campos".

A qualidade da grama é uma questão de gosto

A crítica dos jogadores é muito subjetiva, aponta Lehmacher. "Os holandeses reclamaram de que a grama é muito dura. Há pouco, recebi um e-mail que dizia que era muito macia".

Parece que cada um tem seu gosto e por isso é difícil agradar a todos. Uns gostam da grama curta, outros da grama longa. Alguns jogadores gostariam de jogar num gramado seco, outros preferem o campo úmido. "Não há como contentar a todos. Os times precisam de um pouco mais de tolerância".

Além disso, a questão climática também desempenha um papel importante nas condições do gramado. A primavera alemã teve em seu final dias muito quentes com chuvas fortes e rápidas. Por este motivo, não se pode esperar uma grama "perfeita".

Os treinos feitos nos estádios antes do início da Copa também prejudicaram, e a Fifa interditou seus campos por conta disso.

Apesar da discussão, reclamações oficiais ainda não chegaram ao Comitê de Organização da Copa.

Leia mais