1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grécia se esforça para atender condições impostas pela UE

Dependente do plano de resgate, premiê Tsipras aprimora sua lista de reformas, se equilibrando entre a necessidade de aprovação pela UE e a autoafirmação nacional. E paralelamente flerta com Moscou e Teerã.

Com sua lista de reformas econômicas, o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras (foto), espera arrecadar 3 bilhões de euros, afirma a imprensa nacional. Além disso, em 2015 o país deverá crescer 1,4%, assim como acumular superávit primário – para pagar os juros da dívida.

Atenas e a União Europeia estão de acordo sobre essas metas. Mas ainda há divergências quanto aos cortes da aposentadoria, às reformas no mercado de trabalho e à elevação do imposto de valor agregado (IVA).

Uma precondição incontornável para a ajuda financeira europeia aos gregos seria os parceiros da UE aprovarem a lista de reformas e, em seguida, os ministros de Finanças darem seu sinal verde.

Limites impostos por Atenas

Tsipras considera tabu a adoção de certas medidas: "Nós nos comprometemos a não aplicar cortes de salários nem de pensões, não permitir demissões em massa, nem outras medidas que levem a um agravamento da recessão e da crise social", declarou o político de esquerda ao jornal Real News, de Atenas.

O premiê expressou otimismo cauteloso de que "em breve haverá um final feliz desta primeira fase das negociações". Ao mesmo tempo, ele reclamou sobre a existência de "forças" na UE que desejariam uma "ruptura" das negociações.

O porta-voz da bancada parlamentar do partido Syriza, Nikos Filis, foi bem mais explícito: "Não se pode exigir que saldemos nossas dívidas exclusivamente com as arrecadações em curso. Isso é uma coisa sem precedentes, é uma extorsão", condenou, em entrevista à emissora de TV Skai.

Desde julho de 2014 a União Europeia suspendeu o pagamento a Atenas das parcelas do programa de resgate econômico. Filis ameaçou, em contrapartida, sustar o pagamento de juros e amortizações relativos às dívidas, caso Bruxelas continue retendo as parcelas devidas. Seu governo precisa "defender as necessidades do povo grego", observou o porta-voz.

Griechenland Parlament Vereidigung der Abgeordneten 05.02.2015

Tsipras convoca reunião para reorganizar forças

Discordância interna no Syriza

De maneira inesperada, o premiê Tsipras marcou para a noite desta segunda-feira (30/03) um debate no Parlamento sobre o atual estado das negociações com os credores. O líder oposicionista conservador Antonis Samaras cancelou um importante evento partidário no norte da Grécia para comparecer.

Espera-se que o chefe de governo busque o confronto com os conservadores e talvez até aborde a questão – a seu ver, ainda em aberto – das reparações alemãs da Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de fomentar a coesão dentro do próprio partido.

Segundo a TV Skai, com esse debate Alexis Tsipras também buscaria se antecipar a críticas ao curso das negociações com a UE vindas de dentro do próprio Syriza. Nos últimos tempos, vêm-se acumulando diferenças de opiniões no partido do governo, o que é uma fonte adicional de apreensão para o primeiro-ministro.

O exemplo mais recente é a planejada privatização do terminal de contêineres do porto de Pireu. Embora em janeiro o ministro dos Transportes Marítimos, Thodoris Dritsas, já tivesse anunciado sua suspensão, no último sábado, o vice-premiê Yannis Dragasakis declarou na China que o processo de venda prossegue.

A companhia de navegação chinesa Cosco, que desde 2009 já opera grande parte do terminal e conta entre os concorrentes mais fortes à privatização, está convidada a apresentar uma "oferta competitiva" para Pireu, disse Dragasakis na ocasião.

Griechenland Hafen von Piräus Containerhafen

Porto de Pireu se transforma em pomo de discórdia para política grega

Flerte com Moscou e Teerã

Paralelamente, Atenas procura aproximar-se da Rússia. Nesta segunda-feira, o ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis, líder da ala mais de esquerda do Syriza, viajou para Moscou. Em 8 de abril, o próprio Tsipras é esperado na capital russa. Ainda não está claro se na ocasião ele pedirá apoio financeiro ao país anfitrião.

Em entrevista ao jornal grego Kathimerini, o embaixador russo na Grécia, Andrey Maslov, relativizou as expectativas: caso o governo grego apresente um pedido de crédito, este será "verificado".

O diplomata acentuou, porém, a necessidade de cautela quanto a ajudas econômicas em nível bilateral, já que a Grécia pertence à zona do euro. Além disso, a Rússia já estaria participando indiretamente do auxílio financeiro a Atenas, através do Fundo Monetário Internacional (FMI), acrescentou.

Também causou celeuma em Atenas a notícia, não confirmada oficialmente, de que Giorgos Tsipras, primo do chefe de governo e assessor do ministro do Exterior Nikos Kotzias, teria recentemente visitado o Irã.

Segundo informações do influente jornal ateniense Ta Nea, o enviado de Atenas teria pedido ao governo iraniano para investir em títulos públicos gregos. Teerã haveria declinado, alegando as sanções da comunidade internacional relacionadas ao programa nuclear do país.

Leia mais