Grécia espera não precisar do pacote de ajuda da União Europeia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grécia espera não precisar do pacote de ajuda da União Europeia

Acordo prevê que Grécia pode pedir socorro aos países da zona do euro e ao Fundo Monetário Internacional. Seria a primeira vez que o FMI iria interferir na economia da zona do euro, em 11 anos de moeda comum.

default

Primeiro-ministro grego Giorgos Papandreou

A Grécia respira aliviada: se tudo der errado e o país não conseguir refinanciar seus títulos no mercado, virá ajuda dos países da zona do euro e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Esse foi o acordo firmado na reunião dos chefes de Estado e governo dos países-membros da União Europeia (UE), que se encerrou nesta sexta-feira (26/03) em Bruxelas.

De imediato, a reação foi positiva sobre a cotação do euro – nesta sexta, a moeda subiu até 0,9% depois de atingir o pior patamar dos últimos dez meses.

Esta é a primeira vez que o FMI – tão conhecido dos países emergentes – é incluído num pacote de ajuda a um país da zona do euro, em 11 anos de história. O banco é baseado na capital dos Estados Unidos, Washington.

Todos satisfeitos

Após os longos meses de debate sobre a situação grega, o resultado do encontro parece ter agradado às partes envolvidas. "A União Europeia foi unânime, o que não aconteceu anteriormente", avaliou o primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou.

Sobre a ajuda combinada entre países da zona do euro e o FMI, Papandreou foi categórico: "A Grécia foi um pretexto para acertar esse mecanismo, mas ele estava concebido pelos [16] estados-membros. E nós achamos que não vamos precisar usá-la."

Já a chanceler federal alemã, Angela Merkel, elogiou a decisão: "Acho que a Europa provou sua capacidade para agir diante de grandes assuntos", disse ao fim do encontro, destacando também a importância de que se mantenha a estabilidade do euro.

O chefe da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, também declarou que a decisão foi importante, e acrescentou: "Espero que os mercados financeiros ajam diante de fatos, não diante de ficção".

Papel do FMI

Depois do anúncio do pacote de ajuda, o Fundo Monetário Internacional ainda procura esclarecer seu papel. "Estamos acompanhando tudo de perto", declarou a instituição em nota.

Devido à situação inédita, o FMI ainda não sabe dizer quais políticas serão aplicadas em caso de empréstimo ao governo grego, já que o país está sob jurisdição das regras da União Europeia.

A cota de empréstimo da Grécia junto ao FMI é equivalente a 1,25 bilhão de dólares – embora seja permitido sacar até dez vezes esse favor, de acordo com as regras adotadas pelo FMI durante a crise financeira global.

Mas analistas calculam que a Grécia poderia conseguir um empréstimo entre 20 e 22 bilhões de euros do Fundo.

Lições da crise grega

Os países da zona do euro concordaram, também, em aumentar a vigilância uns sobre os outros para evitar um caso semelhante ao caos financeiro vivido na Grécia.

Há outros países do bloco na berlinda, notadamente Portugal, Espanha e Irlanda. Mas para o chefe do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, as medidas anunciadas devem garantir o futuro da estabilidade do euro.

NP/afp/rtr/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais