Grécia enfrenta maior dívida pública de sua história | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 12.12.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Grécia enfrenta maior dívida pública de sua história

Após divulgar o maior déficit orçamentário de sua história, a Grécia é pressionada pela União Europeia a sanear as finanças públicas. Apesar da crise, premiê grego reitera compromisso com pacto de estabilidade do euro.

default

Grécia têm dolorosas reformas pela frente, disse premiê grego

No recente encontro de cúpula em Bruxelas, os chefes de Estado e governo da União Europeia (UE) pretendiam, de fato, discutir a proteção climática e a cooperação no bloco no âmbito da Justiça. No entanto, o tema abordado no início da reunião não fazia parte da agenda: a crise orçamentária da Grécia.

Devido ao pacto de estabilidade do euro, Atenas está desde o início de dezembro sob rigorosa inspeção da UE.

O país tem dívidas públicas na ordem de 300 bilhões de euros. Esse é o rombo nas finanças públicas já registrado na história da Grécia. Seu atual déficit orçamentário corresponde a 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Outro problema é a crescente perda de liquidez em nível internacional.

Mudanças sistemáticas

Em Bruxelas, o primeiro-ministro grego, George Papandreou, descartou o risco de uma bancarrota estatal e disse que seu país não pedirá ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Devido ao imenso endividamento, essa possibilidade fora cogitada por diversos analistas econômicos.

"Reconhecemos que o problema é sério e que os desafios são imensos", declarou Papandreou em Bruxelas. Para enfrentar o problema, o primeiro-ministro socialista anunciou abrangentes reformas. "Diminuiremos o déficit através de mudanças sistemáticas, e pretendemos fazê-lo durante os próximos quatro anos", afirmou.

Griechenland neue Regierung George Papandreou in Athen

Papandreou assumiu poder em outubro último

Após esse prazo, a meta é voltar a cumprir o limite máximo de endividamento estabelecido pelo Tratado de Maastricht, que é de 3% do PIB, explicou Papandreou.

Na TV grega, o político grego afirmou nesta sexta-feira que "reformas revolucionárias" serão necessárias. O premiê insistiu sobretudo na necessidade de combater a corrupção e a sonegação fiscal. Papandreou não escondeu o fato de que as "reformas serão dolorosas", sem no entanto dar detalhes sobre seus planos.

Importância nacional

Somente após a mudança de governo, em outubro último, é que Atenas revelou que a dívida orçamentária do país tinha praticamente duplicado, atingindo quase 13% do PIB. Essa é a maior dívida pública entre os 27 países-membros da União Europeia.

No próximo ano, a dívida grega deverá corresponder a 125% de sua atividade econômica. Assim, a Grécia ultrapassará a Itália, até agora campeã europeia em dívidas. Papandreou descartou, no entanto, especulações de que seu país seria excluído da zona do euro. "Essa possibilidade não existe", salientou.

Na próxima terça-feira (15/12), as lideranças políticas da Grécia se encontrarão em reunião extraordinária, a fim de buscar meios para tirar o país da crise. O presidente grego, Karolos Papoulias, disse considerar a reunião de "importância nacional".

Medidas de apoio

Na cúpula em Bruxelas, os líderes europeus não cogitaram medidas de ajuda à Grécia, já que atribuem a responsabilidade primeiramente a Atenas: "Ficou claro que a Grécia quer assumir suas responsabilidades através de reformas estruturais", disse a chefe alemã de governo, Angela Merkel, em Bruxelas.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, declarou, por sua vez, que as primeiras medidas anunciadas pelo governo em Atenas seriam um "passo na direção certa".

A Federação dos Bancos Alemães (BdB) é contra a concessão de uma ajuda europeia imediata à Grécia. Na edição deste sábado (13/12) do jornal Berliner Zeitung, o presidente da BdB, Manfred Weber, afirmou que somente quando o país fizer seu "dever de casa", deve-se falar de medidas de apoio, seja por parte da UE ou do Fundo Monetário Internacional.

CA/afp/dpa/rtrs

Revisão: Simone Lopes

Leia mais