1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grécia e credores partem para mais uma rodada de negociações

Primeiro-ministro grego tem encontro com representantes europeus para "últimas conversas" sobre acordo de resgate econômico. Tsipras tem ainda o desafio de convencer o próprio partido a aprovar as reformas propostas.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, volta a se reunir nesta quarta-feira (24/06) com os credores internacionais em Bruxelas para as últimas conversas sobre o resgate econômico do país. Atenas tem até 30 de junho para pagar uma dívida de 1,6 bilhão de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

Participam do encontro o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, e a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

No início da semana, Tsipras apresentou o

plano de reformas

exigido pelos líderes da zona do euro para liberar a última parcela do programa de resgate econômico da Grécia, no valor de 7,2 bilhões de euros.

Já em Atenas, membros do próprio partido de Tsipras, o Syriza,

criticaram as medidas

de controle de gastos, e afirmaram que vão impor obstáculos à aprovação da proposta no parlamento grego.

A reforma econômica, que prevê aumento de impostos e da contribuição da aposentadoria, daria um incremento de cerca de 8 bilhões de euros ao orçamento do país até 2016.

Ministros das finanças da zona do euro devem se reunir na noite desta quarta-feira para avaliar as propostas, na véspera da reunião de dois dias dos líderes dos 28 países-membros da União Europeia, marcada para quinta e sexta-feira.

O porta-voz do governo grego, Gabriel Sakellaridis, afirmou que o país está próximo de alcançar um acordo antes do fim de semana. Ele destacou que o aumento dos impostos proposto por Tsipras afeta mais as camadas de alto poder aquisitivo do que os assalariados e aposentados.

Problemas em casa

Mas Sakellaridis pondera que ainda há entraves. "Se o acordo não for aprovado pelos deputados da maioria governamental, o governo não poderá continuar no poder", declarou.

Conseguir a aprovação do parlamento será mais uma tarefa difícil para Tsipras. Eleito em janeiro com um discurso antiausteridade, o líder do partido radical de esquerda Syriza teve de contrariar o discurso de campanha e apresentar as propostas de contenção de gastos para convencer os principais financiadores da dívida grega, depois de meses de impasses nas negociações.

KG/afp/ap

Leia mais