1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grécia aprova lei que prevê 15 mil demissões em dois anos

Em troca, governo grego espera a liberação de novo empréstimo de 8,8 bilhões de euros da União Europeia e do FMI. Lei passou com facilidade no Parlamento.

O Parlamento da Grécia aprovou na noite deste domingo (28/04) uma lei de emergência que estipula novas medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais em troca de um novo empréstimo de 8,8 bilhões de euros. A lei foi aprovada com facilidade, por 168 votos a favor e 123 contra, já que o governo de coalizão conta com a maioria parlamentar.

A lei implementa um acordo entre o governo grego, a União Europeia (UE) e o FMI, acertado no início deste mês. Ela prevê a demissão de cerca de 2 mil servidores públicos até o final de maio, de mais 2 mil até o final do ano e de mais 11.500 até o final de 2014, totalizando 15.500 demissões em menos de dois anos.

Na lista de demissões estão os funcionários sancionados por corrupção ou incompetência, os encaminhados para a aposentadoria voluntária ou que tiveram seu posto de trabalho extinto com o fim de dezenas de órgãos públicos.

Após a aprovação parlamentar da Grécia, a União Europeia deverá aprovar nesta segunda-feira um repasse de 2,8 bilhões de euros ao governo grego, disse o ministro das Finanças da Grécia, Yannis Stournaras. Em 13 de maio, os ministros das Finanças da UE deverão liberar mais 6 bilhões de euros, acrescentou.

Além da reestruturação do setor público, foi adotada uma legislação com apenas um artigo – uma prática recorrente para obrigar os deputados a votarem as disposições – que prevê a extensão de um imposto sobre a propriedade, criado em 2011, mas agora reduzido a 15%.

O sindicato dos servidores públicos gregos, o Adedy, criticou duramente a nova lei, denunciando "os cortes de empregos e a destruição do serviço público" e convocou um protesto em frente ao Parlamento. Mas apenas algumas centenas de pessoas apareceram, segundo a polícia.

AS/lusa/rtr/ap

Leia mais