Governos do Leste Europeu querem investir mais em energia nuclear | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governos do Leste Europeu querem investir mais em energia nuclear

Catástrofe nuclear mudou opinião de japoneses sobre o tema. Sociedades russa e ucraniana estão mais céticas quanto à exploração da energia nuclear. Mas governos aprovam utilização de usinas e estão dispostos a investir.

default

Região de Tchernobil ainda traz marcas da catástrofe

Apesar da catástrofe nuclear em Fukushima e das cerimônias que lembraram os 25 anos do acidente em Tchernobil, entidades ambientais antecipam um possível aumento do número de centrais nucleares no Leste da Europa e na Ásia. Os principais atores políticos da Rússia, Belarus e Ucrânia minimizam a tragédia no Japão, afirmando que não haveria qualquer motivo para pânico em seus países.

Schweiz Wirtschaft Weltwirtschaftsforum in Davos Medwedew

Dimitri Medvedev apoia investimento em energia atômica

O presidente russo, Dmitri Medvedev, considera a energia atômica "absolutamente segura". Ele defende a construção de novas unidades com padrões de segurança máxima. A Rússia tem o objetivo de elevar o número de centrais nucleares de 10 para 26, até 2030. O plano prevê a construção de uma central numa plataforma no Oceano Pacífico. Entretanto, especialistas confiam na revisão do plano, depois do desastre no Japão.

Apesar de Tchernobil, a Ucrânia quer triplicar o número de suas unidades nucleares até 2030. Quatro centrais operam no país, e este pretende encomendar mais dois reatores russos para uma das usinas. Belarus quer construir sua primeira central no segundo semestre deste ano, encomendada ao consórcio russo Rosatom. O contrato foi assinado poucos dias depois da catástrofe de Fukushima.

Russos e ucranianos ficaram mais céticos

Se o desastre de Fukushima não sensibilizou os governos, os cidadãos russos e ucranianos parecem ter ficado mais céticos. Uma pesquisa de opinião encomendada pela Deutsche Welle ao Instituto para Análise Política e Econômica do Leste Europeu mostra que, depois do desastre no Japão, 43% dos russos acham que a energia termonuclear oferece perigo, enquanto 36% discordam.

Japan Fukushima Rauch Atomreaktor

Desastre em Fukushima deixou japoneses menos confiantes sobre energia nuclear

Por outro lado, 44% dos entrevistados russos pensam que um acidente como o de Fukushima não deve acontecer em seu país. Na Ucrânia, 60% dos entrevistados veem o modelo como perigoso, 31% discordam. Entre os ucranianos, 41% dizem ter mudado de opinião sobre o tema após o desastre no Japão, e 23% são pela proibição do uso da energia nuclear.

Tanto na Rússia como na Ucrânia e em Belarus não existe uma tradição ambiental na sociedade civil nem os chamados partidos verdes. Para Volodimir Ometchenko, especialista do centro ucraniano Rasumkov, de política e economia, o cidadão ucraniano tem que ser visto de forma pragmática sobre este assunto. "Mais da metade da população luta de forma prática pela sobrevivência", diz o especialista.

Chineses aprovam

No final de março, uma pesquisa encomendada pela rede France 2 ao instituto BVA/Win-Gallup revelou que 70% dos entrevistados chineses são a favor do uso da energia nuclear. O mesmo ocorre na Coreia do Sul, onde 64% da população aprova as centrais nucleares. No Japão, o índice de apoio ao modelo caiu de 62% para 39% após o desastre de Fukushima.

Anti-Atomkraft

Chineses e sul-coreanos não mostram medo da energia nuclear

O especialista do Greenpeace em Berlim, Tobias Münchmeyer, acredita que a Rússia poderia abandonar a energia nuclear bem rapidamente pois, no momento, apenas ela é responsável por apenas 17% da energia do país. A Rússia poderia construir sistemas renováveis de produção de energia ou até recorrer ao gás natural.

Na Ucrânia, a situação é mais difícil. As quatro unidades nucleares cobrem até 48% da produção do país. Porém, há também excedentes que são exportados. Münchmeyer diz que a Rússia, Belarus e Ucrânia estão entre os países que "mais desperdiçam energia". Ele afirma que enquanto este problema persistir, será difícil promover uma reviravolta na política atômica.

MP/dw/afp/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais