1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo sírio ameaça usar armas químicas se houver intervenção

País reconhece pela primeira vez ter esse tipo de armamento, à medida que cresce a pressão sobre o regime do presidente Bashar al-Assad. UE amplia sanções e endurece embargo à venda de armas.

O governo da Síria ameaçou nesta segunda-feira (23/07) usar armas químicas ou biológicas em caso de intervenção externa. É a primeira vez que o país reconhece ter esse tipo de armamento.

O porta-voz do Ministério do Exterior, Jihad Makdissi, disse que as armas não seriam usadas contra a população do país. "Nenhuma arma química ou biológica será usada, repito, jamais será usada durante a crise na Síria, sejam quais forem os desenvolvimentos", disse o porta-voz.

"Todas essas armas estão armazenadas e seguras, sob supervisão direta das forças armadas sírias, e só serão usadas se a Síria for exposta a uma agressão externa", acrescentou. Israel já expressou o temor de que essas armas caiam nas mãos de grupos inimigos e não excluiu uma intervenção militar para impedir que isso aconteça.

O temor de que as armas químicas e biológicas da Síria caiam nas mãos erradas cresce à medida que o regime do presidente Bashar al-Assad começa a dar sinais de enfraquecimento. Na semana passada, um atentado atingiu o núcleo do regime, causando a morte de um cunhado do presidente, do Ministro da Defesa e outras pessoas do alto escalão da segurança síria.

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, disse que a ameaça feita pela Síria é "monstruosa" e evidencia, mais uma vez, a falta de humanidade do regime Assad.

Mais sanções

Em Bruxelas, os ministros do Exterior da União Europeia (UE) acrescentaram novos nomes à lista de pessoas sujeitas a medidas restritivas, incluindo militares e responsáveis pelos serviços secretos e de segurança da Síria, envolvidos com a repressão da população civil.

Os ministros também reforçaram o embargo à venda de armas para a Síria, apelando a todos os países para que se abstenham de fornecer armas ao país e manifestando preocupação quanto ao potencial uso de armas químicas.

O embargo à vendas de armas para a Síria foi adotado em maio de 2011. Agora o bloco endureceu a medida, obrigando todos os membros da UE a inspecionar navios e aviões com destino ao país sempre que houver suspeita de carregamento de armas.

AS/ap/rtr/afp/lusa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais