Governo promete pacote contra corrupção | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.03.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Governo promete pacote contra corrupção

Ministros defendem direto de livre manifestação e, em resposta a protestos, se comprometem a acelerar medidas para combater impunidade. Durante entrevista, várias cidades têm panelaços.

Designados pela presidente Dilma Rousseff, os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, comunicaram neste domingo (15/03) que o governo federal vai acelerar uma série de medidas de combate à corrupção e à impunidade nos próximos dias.

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto para comentar as manifestações que tomaram as ruas de cidades em todos os estados e do Distrito Federal, ambos reforçaram que o governo está aberto ao diálogo, defenderam a livre manifestação em todo o Brasil e culparam a conjuntura econômica mundial pelo baixo crescimento econômico do país.

Durante a entrevista, panelaços foram ouvidos em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Recife e outras cidades. A ação foi convocada via redes sociais, a exemplo do que havia ocorrido no domingo passado, durante pronunciamento de Dilma.

"O Brasil assistiu hoje a manifestações que foram realizadas dentro da ordem democrática, dentro dos padrões da legalidade", disse o ministro da Justiça, acrescentando que o país continuará a assegurar a liberdade de manifestação. "O Brasil está muito longe de golpismos. A manifestação democrática de hoje revela claramente isso. O governo está atento e revela a disposição que sempre teve de ouvir a voz das ruas. Não há democracia sem diálogo, sem tolerância de posições divergentes."

Atual conjuntura exige reforma política

No entanto, o ministro da Justiça admitiu a necessidade de uma reforma política. "A atual conjuntura aponta para uma necessária mudança no nosso sistema político eleitoral. Na nossa avaliação é um sistema anacrônico, que ainda temos nos dias de hoje, que constitui a porta de entrada principal para a corrupção no país. Então, é preciso mudá-la por meio de uma ampla reforma política", declarou.

Brasilien Antiregierungsproteste

Protesto na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro

Além disso, Cardozo comunicou que o governo anunciará nos próximos dias um conjunto de medidas de combate à corrupção. Um dos principais pontos será o fim do financiamento privado de campanhas eleitorais. De acordo com o ministro, parte das propostas que serão anunciadas por Dilma já está tramitando no Congresso e precisa ainda de aperfeiçoamento.

"O governo, que tem uma clara postura de combate à corrupção, que ao longo desses últimos tempos tem criado mecanismos que propiciam as investigações com autonomia, vai anunciar algo que já era uma promessa eleitoral: um conjunto de medidas de combate à corrupção e à impunidade. A postura do governo é que sua posição não se limite a essas medidas. Estamos abertos ao diálogo", disse Cardozo.

"Manifestantes não votaram em Dilma"

Durante a entrevista, enquanto Cardozo destacou a legitimidade das manifestações e pediu reformas, o ministro da Secretária-Geral da Presidência salientou que aqueles que foram às ruas votaram no senador tucano Aécio Neves.

"Os protestos que ocorreram hoje são de setores críticos ao governo e seguramente essa participação parece ser de eleitores que não votaram na presidente Dilma. Manifestações contrárias ou favoráveis ao governo são legítimas. O que não é legítimo e não é aceitável é o golpismo, a intolerância", disse Rossetto.

O ministro afirmou ainda que a presidente lidera, e bem, um projeto de desenvolvimento para o país, mas que a rota de crescimento foi afetada pela conjuntura econômica mundial, que também prejudicou o Brasil.

Por fim, Rossetto afirmou que a economia vai reagir no segundo semestre e que a situação no Brasil é sólida. "Nada aqui se assemelha a situações como Grécia e Espanha, com brutais desempregos", disse.

PV/ots

Leia mais