1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Governo fecha 2014 com déficit de 17,2 bilhões de reais

Maior rombo desde 1997 mostra que despesas do governo Dilma com pessoal, programas sociais, custeio e investimento ultrapassaram as receitas líquidas. Tesouro garante que cumprirá meta de superávit para este ano.

O governo brasileiro encerrou 2014 com rombo no Tesouro Nacional de 17,2 bilhões – algo inédito desde o início da série histórica atual, em 1997.

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (29/01), as despesas do governo da presidente Dilma Rousseff no último ano de seu primeiro mandato com pessoal, programas sociais, custeio e investimento aumentaram, de janeiro a dezembro, 12,8%, para 1,031 trilhão de reais.

As receitas líquidas, porém, não acompanharam o ritmo e, diante de uma economia enfraquecida, cresceram apenas 3,6%, ficando em 1,014 trilhão.

O maior crescimento ocorreu nas despesas de custeio – ou seja, na manutenção da máquina pública – e de capital, que subiram 19,3%. As despesas com folha de pagamento e encargos sociais aumentaram 8,4% em relação a 2013.

Na rubrica das despesas de custeio e capital, as variações mais significativas foram o aumento de 14,5% nas despesas discricionárias – que o governo pode ou não executar – e de 29% nas despesas com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A frustração com as receitas, devido a uma arrecadação menor que o previsto, e o aumento de despesas contribuíram para este déficit primário do governo, segundo explicou o secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive.

Segundo ele, houve queda de 1,7% nas receitas e uma alta de 0,4% nas despesas frente ao que era esperado pelo governo.

Saintive destacou que o governo não cumpriu a meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) para 2014, que era de 10,1 bilhões de reais. A meta já havia sido alterada – a original, de 80,7 bilhões de reais, fora reduzida em razão da queda na arrecadação e do aumento de gastos do governo.

O secretário reconheceu que o resultado "não é bom" e garantiu empenho por parte do Tesouro no cumprimento da meta de superávit primário para este ano. "A recuperação da credibilidade do Tesouro é cumprir essa meta. Nós vamos cumprir", garantiu.

Oscar Niemeyer Architekt Ministerium und National Kongress Brasilia

Gastos com pessoal, programas sociais, custeio e investimento aumentaram 12,8% em 2014

Nesta quinta-feira, o governo criou um grupo de trabalho interministerial para acompanhar os gastos públicos federais e propor medidas para melhorar a execução orçamentária e financeira de 2015, além de também otimizar os gastos públicos. A medida visa contribuir para o alcance das metas fiscais.

Desemprego

O IBGE divulgou também nesta quinta-feira um balanço da ocupação no Brasil no ano passado. O país fechou 2014 com uma taxa de desemprego de 4,8% ao longo dos 12 meses, a menor da série histórica, abaixo dos 5,4% registrados no ano anterior. A taxa referente apenas a dezembro foi de 4,3%, a menor desde 2002.

Em termos absolutos, a população desempregada representou, na média anual, 1,1 milhão de pessoas – cerca de 10,8% abaixo da média de 2013, quando 1,3 milhão de pessoas estavam desocupadas.

Na prática, isso significa que o desemprego baixou apenas porque algumas pessoas deixaram de procurar emprego, principalmente nas últimas semanas de dezembro, quando a oferta é historicamente baixa devido às festas de fim de ano.

Já com relação às pessoas ocupadas, ou seja, com trabalho formal, a taxa recuou 0,1% em relação à média de 2013, totalizando 23,087 milhões de pessoas.

MSB/abr/lusa

Leia mais