Governo do Egito convoca reunião emergencial após confrontos violentos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo do Egito convoca reunião emergencial após confrontos violentos

Choques entre cristãos coptas e forças de segurança causaram a morte de ao menos 24 pessoas no Cairo. Governo quer conter tensão sectária no Egito, de maioria muçulmana.

default

Manifestantes atearam fogo a carros em protesto no Cairo

Um dia depois das violentas manifestações no Cairo, o primeiro-ministro do Egito, Essam Sharaf, pediu calma nesta segunda-feira (10/10) num discurso na televisão. No domingo, ao menos 24 pessoas morreram durante o choque entre forças de segurança e cristãos coptas, que protestavam na capital. Muçulmanos também teriam se envolvido no confronto. Cerca de 200 pessoas ficaram feridas, segundo informações do Ministério da Saúde.

"Em vez de avançarmos e construirmos uma nação democrática moderna, nós nos encontramos buscando segurança e estabilidade. Ninguém vai recuar, e não vamos acreditar que o que aconteceu seja um motim sectário, isso é apenas uma cena de uma conspiração", disse Sharaf.

Militares impuseram toque de recolher de cinco horas em regiões do Cairo na manhã desta segunda-feira, e ao menos 40 pessoas foram detidas durante a noite no Cairo por participação nos atos violentos.

No domingo, aproximadamente 2 mil cristãos coptas se reuniram na capital egípcia para uma manifestação inicialmente pacífica contra a destruição de uma igreja no sul do país, ocorrida no final de setembro. Segundo relatos, o protesto degenerou em violência quando os manifestantes alcançaram o prédio da televisão estatal. Eles atearam fogo em veículos e atiraram pedras contra os seguranças que estavam em frente ao prédio.

As tropas teriam reagido com disparos para o alto e gás lacrimogêneo. Testemunhas contam que dois veículos blindados avançaram sobre a multidão, causando atropelamento e morte de civis. Ativistas que participaram dos protestos disseram que "pessoas anônimas atiraram nos manifestantes", segundo publicou na internet Rami Kamel, que liderou o movimento dos cristãos.

Controle da crise

O governo do Egito convocou uma reunião de emergência para debater a situação. O gabinete deve se reunir na tarde desta segunda-feira para discutir como conter a tensão sectária que ameaça o momento de transição que o país vive.

Sharaf foi apontado pelo conselho militar que governou o país depois da saída do ex-presidente Hosni Mubarak. As eleições que irão determinar os primeiros representantes parlamentares desde o início da chamada Primavera Árabe estão marcadas para 28 de novembro.

Essam Scharaf / Ägypten Ministerpräsident

Essam Sharaf: reunião para evitar choque sectário

Motivos religiosos

Há vários dias, cristãos protestam contra a destruição de uma igreja na província de Assuã, sul do Egito, no último 30 de setembro. Diversos bispos participaram da manifestação deste domingo, e fotos do governador da província, Mustafá al Sayed, foram queimadas – o líder havia dito que a igreja arruinada fora construída ilegalmente.

Os cristãos coptas correspondem a cerca de 10% da população do Egito, que é de 80 milhões de habitantes e de maioria muçulmana. O conflito deste domingo é o mais violento desde a revolução que derrubou Mubarak, iniciada em 25 de janeiro.

Em março último, 13 pessoas morreram durante manifestações de coptas no Cairo, que ocorreram após o ataque terrorista numa igreja ao sul da capital. O atentado na véspera do Ano Novo matou 21 cristãos.

A maioria muçulmana

O representante máximo dos muçulmanos no Egito, Al-Azhar Ahmed Tayyeb, também se pronunciou sobre os protestos violentos. Na televisão, ele pediu o início de conversas entre cristãos e islâmicos, "numa tentativa de conter a crise".

Muçulmanos radicais negaram uma possível culpa pelo conflito deste domingo no Cairo. Segundo um porta-voz do movimento salafista, o grupo condena o confronto violento que provocou a morte de civis.

NP/dpa/afp/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais