1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo de Ruanda defende "política dos três filhos"

Ruanda declarou guerra ao crescimento desordenado da população. Para combater a pobreza crescente, o governo ruandês quer limitar o número de crianças por família a três. Primeiros resultados da campanha já são visíveis.

Ruanda, país localizado no centro da África e com aproximadamente 11 milhões de habitantes, é um dos menores Estados africanos em extensão e o mais densamente populoso do continente. Por quilômetro quadrado, há mais de 400 habitantes, a maioria em estado de miséria absoluta.

O genocídio de 1994 agravou ainda mais a pobreza. Desde então, apesar de alguns progressos econômicos, o crescimento desordenado da população e um sistema de saúde deficiente prejudicam o desenvolvimento.

Seis filhos: "três demais"

A fim de combater a pobreza crescente, o governo quer limitar o número de crianças por família a três. Um projeto de lei foi esboçado já em 2007 neste sentido, embora não tenha sido aprovado até hoje. Oficialmente, a política dos três filhos não passa de recomendação do Estado aos cidadãos.

Symbolbild Ruanda Drei-Kinder-Politik

Política dos três filhos ainda não é lei em Ruanda

O Ministério da Saúde, por sua vez, propaga a ideia: "As campanhas e o trabalho de esclarecimento da população nos últimos cinco anos já surtem os primeiros resultados. As pessoas adotaram métodos de planejamento familiar e esperamos, no futuro, outros sucessos em função de nossa estratégia", diz Arthur Asiimwe, do Ministério da Saúde ruandês. Ele se refere aos resultados de um estudo demográfico e sanitário em Ruanda, segundo o qual uma mulher tinha em média 6,5 filhos em 2005, enquanto em 2010 esse número baixou para 4,6 crianças.

O governo enviou dois profissionais de saúde a todos os povoados do país, a fim de esclarecer a população sobre métodos anticoncepcionais modernos, conta Asiimwe. Em algumas regiões, acentua-se o debate a respeito da esterilização masculina. "Tive que optar pela vasectomia, pois já é difícil para mim agora sustentar meus filhos. Por que eu deveria colocar ainda outros no mundo?", pergunta-se Uwimana Gadi, desempregado e pai de seis crianças.

Vítimas do genocídio desejam famílias grandes

Symbolbild Ruanda Drei-Kinder-Politik

Para muitos, uma grande família é garantia de futuro

No entanto, cresce o medo de que a nova política dos três filhos possa incorrer num erro. Os horrores do passado continuam vivos na memória de muita gente: o genocídio ocorrido no país há 18 anos deixou um saldo de 800 mil mortos. Muitos ruandeses desejam, por isso, grandes famílias. Joyce Uwera, por exemplo, é uma dessas pessoas. Ela e seu marido perderam os pais, vítimas do genocídio. Evitar filhos é algo, por isso, fora de cogitação para ela.

"Não temos ninguém exceto nós mesmos. Queremos ter o máximo de filhos possível para reaver a família que perdemos", diz Uwera.

Mas mesmo que a política dos três filhos não tenha sido ainda oficializada no país, muita coisa vem mudando em Ruanda, afirmam os representantes do Ministério da Saúde local. Eles esperam que, no futuro, o crescimento da população possa ser freado. Assim Ruanda poderia se tornar um exemplo para outros países pobres e superpovoados.

Autor: Sylivanus Karemera (sv)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais