Governo da França aprova projeto de lei que proíbe véu islâmico integral | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo da França aprova projeto de lei que proíbe véu islâmico integral

Projeto de lei será debatido em julho pelo Parlamento e poderá entrar em vigor em 2011. Governo calcula que proibição afetaria duas mil mulheres do total de 5 milhões de muçulmanos que vivem no país.

default

Burcas deverão ser proibidas na França

Depois de um ano de controvérsia, o governo da França concluiu nesta quarta-feira (19/05) um projeto de lei que proíbe o uso do véu islâmico integral – a burca – em locais públicos. O texto será analisado em julho pelo Parlamento e poderá vigorar a partir de 2011.

"Somos uma velha nação reunida em torno de certa ideia de dignidade humana, em particular da dignidade feminina, em torno de certa ideia de vida em comum. O véu integral, que oculta totalmente o rosto, atenta contra esses valores, para nós fundamentais", afirmou o presidente Nicolas Sarkozy durante a apresentação do texto ao Conselho de Ministros.

Lei prevê exceções

O projeto não se refere especificamente à burca, mas proíbe qualquer tipo de vestimenta que cubra o rosto. Quem desrespeitar a lei está sujeito a uma multa de 150 euros. Também poderá ser exigida a participação em aulas de cidadania, com o objetivo de reforçar os valores republicanos. Exceções à lei são capacetes de motociclistas, máscaras usadas por policiais e fantasias carnavalescas.

Burka

Nicab deixa os olhos à mostra

Homens que obrigarem suas mulheres a usar véus como a burca e o nicab em locais públicos podem pegar um ano de cadeia e pagar uma multa de 15 mil euros, conforme o projeto. A burca é um manto, geralmente na cor azul, que envolve o corpo inteiro, e tem uma faixa rendilhada posicionada diante dos olhos para permitir que a usuária enxergue. Já o nicab é um longo manto em geral preto que deixa os olhos descobertos.

O projeto prevê ainda um período inicial de seis meses de adaptação, com campanhas de esclarecimento para mulheres muçulmanas e sem a aplicação de multas. A França abriga a maior comunidade muçulmana da Europa, que reúne mais de 5 milhões de pessoas. Segundo o Ministério do Interior, a nova lei atingiria apenas uma minoria de 2 mil mulheres.

AS/afp/dw

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais