Governo da Bolívia nega vínculo com LaMia | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 03.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Governo da Bolívia nega vínculo com LaMia

Ministro da presidência boliviana nega relação entre governo Morales e diretor-geral da companhia aérea que operava voo da Chapecoense. Dirigente da empresa foi piloto do avião presidencial.

O ministro da presidência da Bolívia, Juan Ramón Quintana, negou neste sábado (03/12) que o governo tenha relação com o diretor-geral da LaMia, companhia aérea responsável pelo voo que transportava a equipe da Chapecoense e caiu na Colômbia.

O diretor-geral da LaMia, Gustavo Vargas Gamboa, foi piloto do avião presidencial boliviano entre 2001 e 2007, período que abrange dois anos do primeiro mandato do atual líder do país, Evo Morales.

"Queremos assinalar de maneira categórica que não há nenhum tipo de relação do governo com a empresa", disse Quintana.

O ministro informou que Vargas, general retirado da Força Aérea da Bolívia, começou a pilotar o avião presidencial durante o mandato do ex-presidente Hugo Banzer, em 2001. Depois, seguiu no cargo nos governos de Jorge Quiroga, Gonzalo Sánchez de Lozada, Carlos Mesa e Eduardo Rodríguez Veltzé.

Ele pediu a aposentadoria em 2007, no segundo ano da gestão de Moraléz, disse o ministro, e, desde então, teve apenas "algum contato esporádico" com o presidente. "Não existe mais nenhum vínculo com o general Vargas", reiterou Quintana.

Tráfico de influência?

O ministro disse ainda que a Promotoria e uma comissão de investigação comandada pelo Ministério de Obras Públicas, responsável pelo tráfego aéreo, devem averiguar o vínculo entre o general reformado e o diretor de registro nacional da Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC), Gustavo Vargas Villegas. "Me chama atenção que o filho do general Vargas seja o responsável por conceder as licenças. Me pergunto se houve tráfico de influência", questionou o ministro.

Quintana também repetiu as declarações do próprio Morales, que disse nesta sexta-feira que não sabia que a LaMia tinha matrícula boliviana.

No entanto, segundo o jornal boliviano Los Tiempos,Quintana admitiu que no último dia 16 de novembro Morales e ele voaram no mesmo avião da LaMia que se acidentou com a equipe da Chapecoense, para a inauguração de uma obra a convite do governador do departamento de Beni.

O avião do modelo Avro RJ85 que transportava a delegação da Chapecoense para disputar a final da Copa Sul-Americana na Colômbia caiu na madrugada desta terça-feira na montanha El Gordo, quando se aproximava do aeroporto de Medellín. A tragédia deixou 71 mortos e seis sobreviventes. As autoridades bolivianas retiraram a licença da LaMia.

LPF/efe/ots

Leia mais