1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Governo britânico adota Linux como sistema operacional

O sistema operacional Linux pode impor-se definitivamente como programa alternativo, depois que o governo de Londres anunciou a sua utilização nas rede de computadores da administração pública britânica.

default

O pinguim é o símbolo do Linux

O êxito do Linux está vinculado também à produção de hardware voltado para a sua implementação na área de servidores. O desenvolvimento técnico de um sistema operacional antes considerado como "brincadeira de amador" deu ao programa a possibilidade de utilização com as máquinas mais modernas, equipadas com vários multiprocessadores de 64 bits. Em 2001, pelo segundo ano consecutivo, ele foi considerado o programa de mais rápida expansão na área dos servidores. Segundo estimativa da International Data Corporation (IDC), empresa dedicada à investigação do mercado das tecnologias da informação, a quota de mercado do Linux entre servidores e computadores centrais já era de 11 a 27% no ano passado.

O sistema operacional é distribuído gratuitamente através da Internet e as companhias que se dedicam à sua produção, como a Red Hat, cobram apenas pelo seu envio em discos ou a manutenção de sistemas baseados em Linux. Agora, a maior empresa provedora de acesso à internet, a AOL (American Online), anunciou o seu interesse em adquirir a Red Hat e fomentar ainda mais a disseminação do sistema operacional gratuito em todo o mundo.

Novos servidores IBM

Também a IBM anunciou que vai construir computadores centrais para o sistema operacional Linux, criado por um jovem estudante finlandês nos anos 90. A empresa apresentará a sua nova linha de servidores da série Z e da série I na próxima semana durante a conferência "Linux World", em Nova York. Os computadores centrais, contrariamente ao que se verifica com os micros ou computadores pessoais (PC), destinam-se à realização de grandes operações, constituindo o sistema informático principal de organizações empresariais, alimentando as redes de PC.

A principal razão para a companhia incorporar na sua linha de produtos servidores dotados com Linux, em vez de outros sistemas operacionais mais tradicionais, como o próprio z/OS da IBM, é econômica. Enquanto um computador central que funciona com outro sistema operacional custa cerca de 650 mil euros, a IBM planeja vender a série Z com o Linux por pouco mais de metade deste preço, cerca de 347 mil euros. A série I, um modelo menor voltado para pequenas e médias empresas, vai custar 433 mil euros.

Código aberto

A origem desta drástica redução de preço deve-se basicamente ao Linux, o sistema operacional criado pelo finlandês Linus Torvalds, na década de 90, que durante anos foi uma ferramenta utilizada quase exclusivamente por "piratas" e "aficionados" da informática. Um êxito estrondoso para um programa que começou como passatempo de um estudante de informática. Linus Torvalds é hoje empresário e sócio da Transmeta, uma das mais novas companhias americanas de fabricação de chips.

Ao contrário de outros sistemas operacionais, o Linux é software de código aberto, o que significa que não existem direitos de propriedade. Os usuários não pagam por ele e podem modificá-lo sem restrições. Em companhias equipadas com redes de centenas de computadores pessoais a redução de custos com o emprego de Linux, em vez de produtos da Microsoft (MS Windows) ou da Sun Microsystem (Unix), pode ser enorme.

Linha avançada e segurança

O crescimento do Linux nos últimos meses coincidiu com o aparecimento de uma nova versão, preparada para funcionar com os processadores de 64 bits da Advanced Micro Devices (AMD), Transmeta ou Intel, e que permite o uso de multiprocessadores simétricos, ou seja, pode ser utilizado em computadores dotados de até 32 processadores. Durante anos, Torvalds desenvolveu o Linux pouco a pouco, em colaboração com centenas de entusiastas da informática de todo o mundo que, de forma desinteressada, ajudaram a aperfeiçoar o código, dotando-o de capacidade cada vez maior.

Em janeiro de 2001, a AMD forneceu à Universidade de Delaware um supercomputador com 128 processadores Athlon de 1 GigaHertz cada um, dotado com o sistema operacional Linux. A IBM investiu 867 milhões de euros na adaptação do Linux a grandes computadores e está construindo o maior supercomputador Linux para o Centro Nacional de Aplicações de Supercomputação (NCSA), com mais de 600 servidores IBM da série X. Por sua vez, a empresa de programação VMware está colaborando com a Agência Nacional de Segurança (NSA) americana, a mais poderosa organização de espionagem do mundo, para construir – com uso do Linux – um computador que resista a todo tipo de ataque de hackers.

Links externos

  • Data 28.01.2002
  • Autoria (am)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1lLl
  • Data 28.01.2002
  • Autoria (am)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1lLl