1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Governo brasileiro vai intervir se alta do dólar pressionar inflação, avaliam economistas

Apesar da declaração do ministro Guido Mantega de que o governo não vai agir para conter a alta do dólar, economistas afirmam que isso deve acontecer se houver risco de a inflação subir.

O governo brasileiro afirma que a recente valorização do dólar perante o real é positiva e que não vai intervir para contê-la, mas economistas ouvidos pela DW Brasil acreditam que governo vai agir para conter o avanço do dólar se houver pressão sobre a inflação.

"O dólar é flutuante e vai flutuar de acordo com o mercado", declarou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta segunda-feira (14/05). Segundo ele, o governo brasileiro nunca estabeleceu nem pretende estabelecer um parâmetro de preço para a moeda norte-americana.

O dólar começou a semana em alta, ultrapassando nesta segunda-feira a barreira dos R$ 2 pela primeira vez desde julho de 2009.

Segundo o economista Carlos Pio, da Universidade Nacional da Austrália, o Brasil adota a postura de priorizar as exportações em detrimento das importações e atrair menos investimentos financeiros estrangeiros – dois pontos favorecidos pela desvalorização da moeda nacional. Por enquanto, o cenário não é preocupante, mas ele diz acreditar que, em dado momento, a pressão inflacionária deverá aumentar.

"As coisas vão ficar mais caras em real porque os importados vão ficar mais caros, incluindo as matérias-primas importadas", diz. Pio ressalva que o governo não tem a obrigação de intervir e que se trata de uma decisão política. "Ele vai intervir se achar que tem gente importante sendo prejudicada. Não interessa ao governo ser identificado como a causa desse prejuízo."

O economista Homero Guizzo, da LCA consultores, também considera que, por enquanto, a desvalorização da moeda não representa uma ameaça séria para a inflação, mas essa situação pode mudar caso o dólar continue ganhando força. "Se as pressões inflacionárias ganharem uma dimensão muito grande, o governo vai parar de intervir [para estimular a desvalorização] ou até mesmo vai intervir no sentido contrário do que tem feito até agora", avalia.

"Basta o governo ameaçar que vai vender dólares e já contribuirá para reverter a tendência atual na taxa de câmbio." Guizzo lembra que hoje o Brasil está comprando dólares e taxando o investimento em carteira para evitar a valorização do real.

Múltiplas causas

Industrie-Erzeugnisse aus Brasilien

Desvalorização do real tem efeitos positivos para a indústria de exportação

Uma combinação de fatores explica a recente valorização do dólar frente ao real. "Houve uma queda nas taxas de juros praticadas no país, uma elevação da percepção de risco no cenário internacional e uma queda do preço das commodities", salienta Guizzo.

Os dois primeiros fatores afastam investimentos estrangeiros, reduzindo a oferta de dólares no mercado brasileiro e elevando o valor da moeda. A queda no preço das commodities também faz com que menos dólares entrem no Brasil, já que o país recebe menos ao vendê-las.

Pio também aponta múltiplas causas para a desvalorização cambial. Em primeiro lugar, há grande instabilidade no cenário internacional, ligada principalmente às incertezas sobre o futuro da Grécia e do euro e ao ano eleitoral nos EUA. "Essa instabilidade dá muito espaço à especulação. O câmbio vai sair do lugar nas próximas semanas em todo o mundo", prevê.

Além disso, Pio também cita as mudanças regulatórias ocorridas no Brasil nos últimos meses, que aumentaram o protecionismo comercial e a tributação sobre transações financeiras.

Ganhadores e perdedores

O governo brasileiro vê a desvalorização cambial como positiva por aumentar a competitividade dos produtos nacionais. "Significa que a indústria brasileira pode competir melhor com os importados, que ficam mais caros, e pode exportar mais barato", afirmou Mantega.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, também declarou que a valorização da moeda frente ao real dá fôlego à atividade industrial do país, que sofre há anos com a entrada de produtos importados. Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, Andrade acredita que, aliada à trajetória de queda dos juros iniciada em 2011, a alta do dólar poderia ser vantajosa para a recuperação gradual da produção industrial neste ano.

Pio concorda que a desvalorização seja positiva para a indústria exportadora, que pode vender mais barato em moeda estrangeira, vencendo a concorrência em termos de preço. "É possível vender em maior quantidade e lucrar mais sem perder rentabilidade na moeda local."

Entretanto, para as importadoras, a desvalorização é negativa. "Há empresas que vão sofrer porque usam tecnologia ou matérias-primas importadas."

"Ou seja, não dá para dizer se a desvalorização é boa ou ruim. É o que em economia se chama de efeito distributivo: há ganhadores e perdedores", considera.

Dólar abaixo de R$ 2 no final do ano

Conforme Pio, não se pode afirmar com certeza quanto tempo vai durar tendência de desvalorização do real. É impossível fazer previsões de longo prazo por conta da instabilidade no cenário internacional. Segundo ele, o que se pode dizer, por enquanto, é que a depreciação é uma tendência para os próximos dias e semanas.

Já Guizzo diz não acreditar que a desvalorização do real seja algo permanente. "Não voltaremos a ver o dólar em R$ 1,75, R$ 1,65 tão cedo. Mas o ritmo de alta visto no último mês, isso é passageiro", diz.

Ele também afirma que a depreciação não pode ir muito além do que foi até agora. "Acho que o governo deixará a tendência correr por mais algum tempo, até perceber o aumento da inflação. Acredito que permitirá mais uns 10% de alta da taxa de câmbio, até o dólar chegar a mais ou menos R$ 2,20", estima.

Para o economista, assim que o governo deixar de intervir no mercado financeiro, o câmbio começará a retroceder. "Este número pode parecer otimista, mas como a volatilidade da taxa de câmbio é muito grande, apostamos que o dólar termine 2012 entre R$ 1,80 e R$ 1,85." Analistas do Itaú Unibanco também projetam que o dólar terminará o ano em R$ 1,85.

Autora: Luisa Frey
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais