1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo brasileiro condena ataque a sinagoga em Jerusalém

Em nota, Itamaraty manifesta solidariedade com famílias das vítimas do atentado e reafirma apoio do Brasil à solução de dois Estados, Israel e Palestina.

default

Ataque a sinagoga deixou cinco mortos

Em nota emitida nesta quarta-feira (19/11), o Ministério das Relações Exteriores brasileiro reprova o

ataque a uma sinagoga

em Jerusalém Ocidental ocorrido no dia anterior, o mais sério atentado contra judeus na cidade desde 2008.

"Neste momento de pesar e consternação, o povo e o governo brasileiro manifestam a sua solidariedade com as famílias enlutadas", diz o texto. O atentado deixou cinco mortos e oito feridos.

A nota destaca o apoio brasileiro à "solução de dois Estados, Israel e Palestina, convivendo em paz e segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas". "O governo brasileiro confia na capacidade das lideranças israelenses e palestinas de reduzir a tensão na região e dar seguimento às negociações de paz."

O Itamaraty também destacou que o Brasil condena de maneira "categórica" práticas terroristas, seja quais forem as motivações.

O ataque desta terça-feira foi reivindicado pelas Brigadas Ali Abu Mustafa, braço militante da radical Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP).

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou o presidente palestino, Mahmoud Abbas, de ser parcialmente responsável pelo atentado. Abbas, por sua vez, também reprovou o incidente, afirmando desaprovar o assassinato de civis em ambos os lados.

Antes do Brasil, outras lideranças internacionais – como o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o ministro do Exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier – também haviam condenado o ataque à sinagoga.

Neste ano, o Brasil já teve atritos com Israel ao se pronunciar sobre o conflito israelo-palestino. Em julho, o Itamaraty publicou duas notas sobre a ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza, condenado "energicamente o uso desproporcional da força por Israel".

Em resposta, o governo israelense

chamou o Brasil de "anão diplomático"

. Alguns dias depois, o presidente de Israel, Reuven Rivlin, telefonou a Dilma Rousseff e

pediu desculpas pelas declarações

feitas pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores israelense.

LPF/abr/afp/rtr/dpa/ap

Leia mais