1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Governo avalia contratar médicos estrangeiros para regiões distantes

Ministério da Saúde pretende recrutar profissionais em países como Portugal e Espanha, afetados pela crise da dívida do euro. Conselho Federal de Medicina afirma que proposta é "improvisada, imediatista e midiática".

Longas filas, vários dias de espera para ser atendido e falta de médicos nos plantões são queixas comuns dos brasileiros que dependem do atendimento gratuito do Sistema Único de Saúde (SUS). Apesar de a oferta incluir postos de atendimento, ambulatórios e hospitais de referência, algumas cidades, principalmente no interior, sofrem com a falta de médicos.

Como solução, o governo brasileiro tem pesquisado experiências semelhantes adotadas por outros países. Segundo o Ministério da Saúde, apenas 1% dos médicos que atuam no Brasil tem formação no exterior, percentual inferior ao de países como Inglaterra, Estados Unidos, Canadá e Austrália, apontados pelo governo como exemplos na contratação de médicos vindos de fora.

Não tardou para que a intenção do governo recebesse críticas. O Conselho Federal de Medicina (CFM), entidade responsável pela fiscalização e normatização da prática médica no Brasil, classificou de "improvisada, imediatista e midiática" a proposta do governo de "facilitar a entrada no Brasil de portadores de diplomas de Medicina emitidos em escolas no exterior", medida que, segundo o CFM, poderia "ferir a norma legal".

O CFM pretende entregar ao governo, ainda nesta sexta-feira (24/05), uma proposta que prevê o incentivo ao preenchimento, por médicos brasileiros, das vagas existentes no país. O órgão não descarta a contratação de médicos estrangeiros, "desde que os candidatos sejam aprovados em exames de validação de diplomas e tenham atestada a fluência em português". O programa de incentivo a brasileiros e os contratos firmados com médicos estrangeiros, segundo a proposta do CFM, deveriam ter vigência máxima de 36 meses. Depois desse período deveria ser iniciado um plano nacional para profissionais da saúde.

Procurado pela DW Brasil, o Ministério da Saúde respondeu, em nota, que o governo garante agir com "responsabilidade" na contratação desses profissionais. O órgão afirma, ainda, que "não haverá validação automática de diploma, que não serão admitidos profissionais vindos de países com menos médicos que o Brasil e que só serão atraídos profissionais formados em instituições de ensino autorizadas e reconhecidas por seus países de origem".

Espanhóis e portugueses

Segundo o Ministério da Saúde, a prioridade é atrair profissionais da Espanha e de Portugal. "A ideia é fazer intercâmbios com os dois países europeus, que possuem grande quantidade de profissionais qualificados e desempregados em razão da crise econômica." Canadá, Espanha e Estados Unidos também estão sendo consultados sobre possíveis parcerias.

No início do mês, o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, chegou a afirmar que o Brasil traria seis mil médicos cubanos para trabalhar no país. A declaração foi dada durante a visita do chanceler cubano, Bruno Eduardo Rodríguez Parrilla. "Estamos nos organizando para receber um número maior de médicos. Trata-se de uma cooperação que tem grande potencial e à qual também atribuímos um valor estratégico", declarou Patriota.

Já o Ministério da Saúde afirma que não há, oficialmente, nenhum acordo firmado com Cuba. O órgão também ressaltou que, junto com o Ministério da Educação, analisa propostas para abertura de novas vagas nas regiões deficitárias.

Distribuição desigual

Infraestrutura precária, salários pouco atraentes e baixos índices de qualidade de vida têm levado médicos recém-formados a preterirem o interior em favor dos grandes centros urbanos, o que deixa desatendidas regiões periféricas em alguns estados.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil tem hoje 1,8 médico por mil habitantes. A presença deles é menor em alguns estados das regiões Norte e Nordeste. O Maranhão – estado que ocupa uma das últimas posições no ranking de IDH (índice de Desenvolvimento Humano) no Brasil – apresenta uma taxa de 0,58 médico para cada mil habitantes. O Distrito Federal possui 3,46 médicos e o Rio de Janeiro, 3,44.

Em relação a outros países da região, o Brasil aparece atrás da Argentina (3,2 médicos para mil habitantes) e da Venezuela (1,9 médico para cada mil pessoas). Na Europa, os índices são ainda maiores: 3,6 na Alemanha, 3,9 em Portugal e 4 na Espanha.

Leia mais