1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo Assad prende familiares de oposicionistas

Vítimas são ligadas a participantes das negociações de paz em Genebra, encerradas em meados de fevereiro sem sucesso. Governo dos EUA reage indignado e exige libertação dos parentes detidos.

O ditador sírio, Bashar al-Assad, mandou prender diversos parentes de oposicionistas que participaram da recente conferência de paz em Genebra. Os próprios delegados da oposição foram classificados pelo governo como terroristas, e seus bens foram confiscados.

Na noite de quarta-feira (26/02), em Washington, a porta-voz da Secretaria de Estado americana, Jen Psaki, expressou a indignação de seu governo, exigindo de Damasco que liberte "imediata e incondicionalmente todos aqueles presos injustamente". "Deve-se permitir à delegação da oposição que trabalhe em segurança e sem ameaças em direção à transição política", exigiu.

Psaki lembrou que detenções arbitrárias e por motivos políticos, tortura sistemática e dezenas de milhares de mortes, sem acesso a um julgamento justo, contam entre as violações documentadas dos direitos humanos pelo regime de Assad.

Numa entrevista à rede de TV MSNBC, o secretário de Estado americano, John Kerry, também condenou: "O que Assad está fazendo é ultrajante, inescrupuloso, inaceitável, vergonhoso, covarde, é horrendo. E todos nós sabemos, todo o mundo sabe."

Governo no exílio encontra políticos alemães

Na última sexta-feira, a Coalizão Nacional das Forças Revolucionárias e Oposicionistas Sírias (CNS) já divulgara em seu website a prisão de Mahmud Sabra, irmão de um de seus delegados nas conversas de paz, Mohamed Sabra.

De Berlim, Ahmed Tomeh, premiê da coalizão considerada como o governo interino sírio no exílio, confirmou as prisões em seu país. Qualquer um que, "mesmo que de longe", tenha qualquer coisa a ver com políticos da oposição, corre perigo de ser detido ou mesmo assassinado, advertiu. Foi o caso do filho do político Fayez Sarrah, torturado e assassinado há poucas semanas por forças pró-Assad.

Desde setembro último, Tomeh, dentista natural da cidade de Deir ez-Zor, no sul da Síria, lidera a CNS, sucedendo a Ghassan Hitto, que se retirara do cargo em julho. Juntamente com outros representantes do grupo de oposição ao regime sírio, ele realiza no momento, na capital alemã, uma série de conversas com políticos nacionais de alto escalão, entre os quais, o ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, e Christoph Heusgen, consultor da chanceler federal Angela Merkel para assuntos de política externa.

Syrien Bürgerkrieg Stadt Aleppo 22. Februar 2014

Cidade de Aleppo: guerra civil continua matando e destruindo na Síria

Negociações de paz no ar

A segunda rodada das negociações para a paz na Síria se encerrou em 15 de fevereiro, sem progressos. Os dois lados sequer conseguiram estabelecer uma data para a continuação das conversas.

No encontro intitulado Genebra II, o enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Lakhdar Brahimi, tencionava debater com a oposição a formação de um governo interino sem Assad. Por sua vez, a delegação de Damasco insistiu em primeiro discutir o combate ao "terrorismo", como o regime denomina as atividades oposicionistas.

AV/dpa/afp

Leia mais