1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Governo anuncia incentivo ao crédito de 83 bilhões de reais

Objetivo de pacote de medidas é impulsionar a produção e recuperar o crescimento. Presidente disse que mais crédito não prejudicará os esforços do governo para cortar gastos e reduzir a inflação.

default

Barbosa ressaltou que medidas não trarão custos para o governo

O governo federal anunciou nesta quinta-feira (28/01) um pacote de medidas para estimular o crédito, que injetarão 83 bilhões de reais na economia. A proposta visa impulsionar a produção e recuperar o crescimento.

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou que os novos empréstimos procuram ajudar as empresas a enfrentar a recessão. A presidente Dilma Rousseff disse que mais créditos dos bancos estatais não prejudicarão os esforços do governo para cortar gastos e reduzir a inflação.

"Em relação ao crédito, a maior parte das iniciativas são administrativas, sem gerar custo adicional para os contribuintes brasileiros. Queremos usar melhor os recursos disponíveis", declarou Barbosa, ressaltando que as medidas não trarão custos para o governo.

O pacote incluiu vários setores, como a agricultura, infraestrutura e exportação. Entre as medidas propostas, o governo pretende agilizar a aplicação dos recursos do Fundo de Infraestrutura do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) e simplificar a emissão de debêntures de infraestrutura.

A previsão é que essa medida expanda o potencial de crédito em até 22 bilhões de reais. A proposta, porém, necessita de aprovação no Congresso Nacional.

O governo também pretende autorizar o uso de parte da multa rescisória do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para garantir empréstimos consignados, aqueles descontados em folha. A expectativa é que essa medida movimente 17 bilhões de reais.

Além disso, o governo irá reforçar a concessão de crédito por bancos públicos com taxas menores que as de mercado. A proposta beneficiará principalmente as micro e pequenas empresas, a construção civil, os exportadores e o agronegócio.

CN/rtr/abr/ots

Leia mais