1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Governo alemão preocupado com armas nucleares paquistanesas

Ministro Steinmeier teme que o arsenal nuclear paquistanês caia nas mãos de terroristas islamitas e avalia que a morte de Benazir Bhutto pode originar a mais grave crise da história do Paquistão.

default

Distúrbios na cidade de Karachi: onda de violência causou ao menos 33 mortes

O ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, manifestou preocupação com o risco de as armas nucleares do Paquistão poderem cair em mãos erradas caso a desestabilização do país venha a se agravar.

"As armas nucleares não devem cair nas mãos de terroristas islamitas. Apesar da atual situação instável, não há ainda risco concreto (de que isso possa acontecer), mas é necessário controlar a situação para que ela se mantenha assim", afirmou Steinmeier ao jornal Bild Am Sonntag .

"Estamos conversando com as Nações Unidas, os Estados Unidos e os países europeus para ver o que podemos fazer nesse sentido", acrescentou. O ministro disse que o governo alemão ficou horrorizado com o "cruel ataque" que, na quinta-feira passada, custou a vida da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto.

Violência

De acordo com o Steinmeier, o atentado terrorista criou uma situação que pode desembocar na mais grave crise da história do Paquistão. Ele apelou aos políticos paquistaneses para que trabalhem unidos no combate aos fundamentalistas islâmicos.

A violência cresceu no Paquistão desde a morte de Bhutto. Motins em todo o país causaram aos menos 33 mortos entre esta quinta-feira e sábado e aumentaram a incerteza em relação às eleições legislativas e provinciais marcadas para o próximo dia 8 de janeiro.

O programa nuclear do Paquistão remonta ao início dos anos 70, mas ganhou força com a adesão e o comando do cientista Abdul Qadeer Khan, em 1976. Ele usou uma rede clandestina internacional para obter o material necessário para o enriquecimento de urânio.

Em 1998, o governo paquistanês anunciou ter feito seu primeiro teste nuclear. Especialistas internacionais estimam que o país tenha entre 20 e 50 ogivas nucleares. (as)

Leia mais