Google anuncia compra bilionária da Motorola Mobility | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Google anuncia compra bilionária da Motorola Mobility

Google anuncia compra da divisão de celulares da Motorola. Estratégia da gigante da internet é impulsionar uso do sistema operacional para smartphones Android e ganhar espaço na disputa com empresas como a Apple.

Negócio bilionário deve ser concluído até o fim do ano

Negócio bilionário deve ser concluído até o fim do ano

A gigante da internet Google anunciou nesta segunda-feira (15/08) a compra da Motorola Mobility Holding, divisão da empresa de telecomunicação responsável pela fabricação de aparelhos celulares e set-top boxes para TV digital. Segundo informações das empresas, o valor do negócio chega a 12,5 bilhões de dólares.
Com a jogada, a Google quer impulsionar o uso de seu sistema operacional Android para smartphones e tablets e ganhar espaço na competição com os iPhones da Apple. Em comunicado, a Google e a Motorola asseguram que os conselhos de administração das empresas aprovaram a compra.
A Google explica ainda que a Motorola Mobility continuará a ser licenciada do Android e que será administrada como um negócio separado.
Parceria produtiva
De acordo com o presidente sênior de Mobile da Google, Andy Rubin, a empresa espera a partir de agora abrir novos caminhos para seu software. "Mas nossa visão para o Android não mudou e a Google continua firme no compromisso de mantê-lo como uma plataforma aberta", garantiu Rubin.
Google garante que manterá Android como plataforma aberta

Google garante que manterá Android como plataforma aberta

"Dividimos uma parceria produtiva com a Google para melhorar o Android, e agora através desse acordo seremos capazes de fazer ainda mais para inovar e criar excelentes soluções de mobilidade em todos os nossos equipamentos para celulares e negócios", disse Sanjay Jha, CEO da Motorola Mobility.

Segundo o acordo de compra, a Google vai pagar 40 dólares por ação em cash – um ágil de 63% sobre o valor da cotação da última sexta-feira. O negócio ainda precisa ser chancelado pelos órgãos regulatórios dos Estados Unidos, da União Europeia e de outros países, e deve ser concluído até o final do ano.
Investidores da Motorola Mobility reagiram bem às notícias sobre a compra da companhia pela Google. Antes mesmo da abertura das bolsas, as ações da Motorola subiram e chegaram a ficar cotadas em 39,2 dólares – pouco abaixo do valor de compra estabelecido na negociação.
Disputa acirrada
Google quer oferecer hardware e software, como a Apple

Google quer oferecer hardware e software, como a Apple

Pioneira na fabricação de aparelhos celulares, a Motorola dispõe de um dos mais fortes arsenais de patentes na indústria de telefones móveis. Há poucas semanas a Google perdeu uma briga com a Apple e a Microsoft por milhares de patentes da falida Nortel.

Na ocasião, o chefe do departamento jurídico e vice-presidente sênior da Google, David Drummond, acusou a Microsoft, a Apple, a Oracle e "outras companhias" de conluio para impedir o crescimento da popularização do Android, por meio da compra de patentes.
Segundo uma fonte envolvida na compra da Motorola Mobility, este acordo significa uma mudança de estratégia muito importante para a Google.
"Esta compra demonstra que a Google quer oferecer uma experiência completa de hardware e software, como a Apple", acredita Colin Gillis, analista da BGC Partners.
Jari Honko, analista do banco sueco Swedbank em Helsinki, na Finlândia, avalia que, através do negócio, a Google tenta fazer com que sua plataforma fique mais competitiva. "Certamente a Google está contando com as patentes que a Motorola detém", ressaltou.
"As rivais Samsung e HTC agora devem tentar com mais força agilizar o Windows Phone, pois eles precisam diversificar sua estratégia de plataforma", acredita o analista Francisco Jerônimo, da empresa internacional de consultoria IDC.
MS/dpa/rtr/afp
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais