Gigantes da tecnologia assinam petição contra veto de Trump | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Gigantes da tecnologia assinam petição contra veto de Trump

Empresas como Google, Facebook e Apple pedem que tribunal barre decreto migratório contra cidadãos muçulmanos nos EUA. Companhias alegam danos para setor empresarial e economia americana.

Protesto contra veto migratório de Trump em Wisconsin

Em Wisconsin, manifestante protesta contra veto : "Fronteiras fechadas nos fazem mais fracos, e não mais fortes"

Mais de 160 empresas de tecnologia dos Estados Unidos, incluindo Google, Facebook e Microsoft, assinaram um pedido encaminhado a um tribunal em Maryland para que barrem o mais recente veto migratório imposto pelo presidente americano, Donald Trump.

Apple, Uber e Snap também aderiram à iniciativa. O argumento é que o veto dificultaria a busca por força de trabalho qualificada e prejudicaria a competitividade da economia americana.

"O segundo decreto leva a uma mudança radical nas regras que regulam a entrada nos EUA e impõe danos substanciais a companhias americanas, seus funcionários e toda a economia dos EUA", diz o documento.

A nova ordem executiva anti-imigração foi assinada por Trump no início de março, depois de uma batalha judicial que terminou com a manutenção da suspensão do primeiro veto migratório a cidadãos de sete países com maioria muçulmana – Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irã e Iêmen.

Em substituição ao polêmico veto migratório emitido em 27 de janeiro, Trump reformulou a proposta, proibindo, por 90 dias, a entrada nos EUA cidadãos de Irã, Somália, Iêmen, Líbia, Síria e Sudão. A principal mudança foi a retirada do Iraque da lista.

A petição protocolada pelas empresas de tecnologia é do tipo "amicus curiae", que significa uma opinião independente. A ação pode ser impetrada por uma parte que não esteja diretamente envolvida, mas tenha um forte interesse no caso.

Nesta quinta-feira, Trump ordenou uma revisão do programa de vistos americanos para trabalhadores estrangeiros com alta qualificação aos EUA, o que deixou empresas americanas em alerta. O presidente argumentou que é preciso proteger os trabalhadores americanos da competição com funcionários vindos do exterior.

KG/afp/ap

Leia mais