Ganhadores do Nobel criaram métodos práticos para estudar macroeconomia | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 10.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Ganhadores do Nobel criaram métodos práticos para estudar macroeconomia

Suas contribuições foram feitas ao longo dos anos de 1970 e 1980. Os dois pesquisadores criaram métodos que estudam causas e efeitos de políticas financeiras e mudanças inesperadas na economia.

default

Dois norte-americanos dividem o Nobel de Economia em 2011

O estudo sobre causas e efeitos na macroeconomia rendeu aos norte-americanos Thomas J. Sargent e Christopher A. Sims o Prêmio Nobel de Economia 2011. O anúncio foi feito na tarde desta segunda-feira (10/10), em Estocolmo, na Suécia. "Eu não esperava ganhar esse prêmio", confessou Sims em entrevista telefônica logo após ter recebido a notícia.

Os economistas trabalharam de forma independente entre si , mas focaram temas que estão intimamente ligados – o funcionamento do sistema econômico e seus fenômenos no geral, entre eles o Produto Interno Bruto (PIB), taxa de juros e inflação. Sargent foi reconhecido por pesquisar métodos empíricos que usam dados históricos para compreender como mudanças na política financeira afetam a economia ao longo do tempo.

Já Sims levou o Nobel pelo estudo que procurou distinguir os efeitos de mudanças inesperadas em variáveis – como preço do petróleo ou taxa de juros – e de mudanças aguardadas, como intervenções.

Efeitos sistemáticos

Thomas J. Sargent, de 68 anos, é professor na Universidade de Nova York. Ele buscou analisar o que acontece, por exemplo, quando taxas de juros reagem a mudanças na inflação, ou ainda os efeitos de políticas ditadas por bancos centrais.

O economista desenvolveu um método prático para estudar os efeitos dessas intervenções na economia, que poderia funcionar como uma espécie de "laboratório". A metodologia consiste de três passos: o primeiro deles é uma descrição matemática precisa da economia, que inclui alguns parâmetros e variáveis como, por exemplo, o comportamento do consumidor quando há aumento real dos juros.

Depois de resolver esse modelo matemático – o segundo passo – usando expectativas de como variáveis macroeconômicas poderiam variar, Sargent fez uso de dados históricos para estimar parâmetros fundamentais. Nesse terceiro passo, o pesquisador usou a estatística para definir, por exemplo, o que muda, ou não, depois de políticas de intervenção financeira.

"Essa é uma compreensão que os economistas já têm há algum tempo", comentou Sargent sobre o fato de considerar as expectativas dos consumidores em seu estudo. "O que está acontecendo agora na Europa, com o euro, tem tudo a ver com expectativas sobre o que as outras pessoas irão fazer. E foi nisso também que me concentrei."

Choques na economia

Christopher A. Sims, 68, fez doutorado na turma de Sargent e, assim como o colega, também considera o efeito das expectativas dos consumidores em seu estudo. Sims, professor da Universidade de Princeton, ganhou o Nobel por desenvolver uma ferramenta estatística que analisa como a economia é afetada por mudanças temporárias na política financeira e outros fatores.

O economista procurou identificar, por exemplo, os efeitos de um aumento da taxa de juros estabelecida pelo banco central. Num dos gráficos apresentados, Sims mostra como o PIB e o nível de preços reagiram com o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos depois da Segunda Guerra.

Resultado: o PIB caiu continuamente por vários trimestres e começou a subir somente após 18 meses. O nível de preços, por outro lado, mal sofreu alteração, e começou a cair depois de um ano e meio, assim como a taxa de inflação. Questionado sobre como seu trabalho poderia ajudar os países a saírem da crise, Sims respondeu: "Se tivesse uma resposta certa, eu a daria a todo mundo. Mas não é simples dar essa resposta. Ao menos nossa pesquisa pode ajudar a encontrar o caminho para fora dessa bagunça."

Importância prática e prêmio

"Sargent e Sims fizeram contribuições fundamentais que ajudam pesquisadores a especificar, implementar empiricamente e analisar modelos dinâmicos da macroeconomia considerando o papel central das expectativas", comentou o comitê do Nobel.

O Nobel de Economia, formalmente chamado de Prêmio Sveriges Riksbank em Ciências Econômicas em memória a Alfred Nobel, foi entregue pela primeira vez em 1969. Os vencedores deste ano recebem 10 mil coroas, aproximadamente 1,1 milhão de euros. A cerimônia de entrega do prêmio está marcada para 10 de dezembro, dia do aniversário de morte do industrial sueco Alfred Nobel, inventor da dinamite.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais