G8 pede fim imediato da violência no Irã | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

G8 pede fim imediato da violência no Irã

Ministros das Relações Exteriores do G8 apelaram às lideranças iranianas para que encontrem uma solução pacífica para a crise e exigiram respeito aos direitos humanos e à liberdade de expressão.

default

Respeito à liberdade de opinião e de manifestação é o que se exige do Irã

Os países do G8 (principais nações industrializadas do mundo mais a Rússia) pediram, nesta sexta-feira (26/06), o fim imediato da violência no Irã, enviando desta forma um claro sinal político contra a onda de violência e prisões de oposicionistas no país.

Reunidos em Trieste, na Itália, os chefes da diplomacia do G8 se declararam "preocupados" com a violência usada contra os manifestantes oposicionistas iranianos, que denunciam uma suposta fraude na eleição presidencial que reelegeu o chefe de governo Mahmud Ahmadinejad.

Os ministros das Relações Exteriores do G8 apelaram às lideranças do regime iraniano para que encontrem uma solução pacífica para a crise e respeitem os direitos humanos e a liberdade de expressão.

Compromisso com Moscou

Sob pressão de Moscou, a declaração final menciona que a soberania iraniana deverá ser plenamente respeitada. De acordo com o ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, o texto final é um compromisso entre os países europeus e a Rússia, que rejeitava com veemência uma condenação do Irã.

Antes do encontro, o ministro russo, Sergei Lavrov, alertou para o risco de se isolar politicamente do Irã, o que seria um erro na sua avaliação. Assim, a declaração final menciona que o governo iraniano deve assegurar que o resultado das urnas "reflita a vontade do povo".

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Fratini, refutou as acusações iranianas de ingerência europeia no processo eleitoral. Ele também reiterou que o G8 "não aceita nem a violência, nem a repressão, nem a expulsão dos jornalistas".

Já o ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, se declarou satisfeito com o resultado do encontro. "O que vimos acontecer em Teerã e outras cidades do Irã nos últimos dias é inaceitável", afirmou.

Outros assuntos

Numa reunião dominada pela agenda internacional, os ministros do G8 também fizeram menção, na declaração final, ao conflito no Oriente Médio, apoiando a suspensão da colonização israelense nos territórios ocupados para criar um clima favorável às negociações de paz.

Os representantes dos oito países mais industrializados condenaram ainda os ensaios de mísseis feitos pela Coreia do Norte e apelaram ao regime norte-coreano para que regresse à mesa de negociações.

AS/dpa/afp/lusa
Revisão: Simone Lopes

Leia mais