1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

G20 cobra da Europa medidas de recuperação da economia

Participantes da cúpula do G20, realizada no México, chegam a consenso quanto ao teor da declaração final do encontro. Segundo o documento, os europeus assumem a obrigação de fazer de tudo para regularizar suas finanças.

Os países da zona do euro pretendem dar garantias de estabilidade da moeda comum. A meta mais importante deverá ser a de acalmar os mercados financeiros, reaver a confiança do investidor e fomentar um crescimento econômico contínuo. Do esboço da declaração final da cúpula do G20, em mãos da agência de notícias dpa, consta: "Os membros da zona do euro, reunidos no G20, irão tomar todas as medidas políticas necessárias para assegurar a integridade e estabilidade da união monetária".

Os Estados que adotam o euro precisam romper com o círculo vicioso de bancos deficientes e dívidas públicas incontroláveis. Todas as economias líderes do planeta, ou seja, os países que pertencem ao G20, prometem adotar medidas em prol de um maior crescimento e se esforçar para reaver a confiança dos investidores.

O euro deve manter-se estável

Os países do G20 apostam na cooperação, a fim de reaquecer a economia mundial. "Vamos agir juntos para fortalecer a recuperação econômica e reduzir as tensões nos mercados financeiro", consta do esboço, que deverá ser aprovado ao fim do encontro nesta terça-feira (19/06).

O primeiro dia da cúpula na cidade mexicana de Los Cabos foi dominado por discussões acerca da estabilidade do euro. Os EUA, a China e a Índia demonstraram preocupações com a situação na Europa. Estes países temem que a crise de endividamento nos Estados da UE arraste consigo a economia mundial.

O presidente sul-coreano, Lee Myung Bak, conclamou com insistência os europeus a realizarem as reformas necessárias. Segundo ele, mesmo que este passo seja doloroso, somente um redirecionamento do sistema financeiro da zona do euro poderá minimizar os riscos para a economia mundial.

Barroso: "Não vamos aceitar que nos deem lições"

O presidente da Comissão da UE, José Manuel Durão Barroso, e a premiê alemã, Angela Merkel, revidaram as acusações de que os europeus sejam os responsáveis pela crise de endividamento. Segundo Merkel, não apenas a Europa, mas todos os continentes precisam contribuir para solucionar o problema.

"Não vamos aceitar que nos deem lições", afirmou Barroso. Alguns dos países do G20, segundo ele, não têm nem ao menos um regime democrático e não podem, por isso, dar lições de moral à Europa. Além disso, completou Barroso, a crise atual começou nos EUA e só atingiu posteriormente os bancos europeus. Tendo em vista a situação na Espanha, declarou o presidente da Comissão Europeia, é preciso encontrar um caminho que auxilie os bancos em dificuldades, mas que não passe pelo Estado.

G20 Obama Merkel Jintao 2012 Los Cabos Mexiko

Obama e Merkel na cidade mexicana de Los Cabos

Merkel e o presidente norte-americano Barack Obama também deram declarações a respeito da situação na zona do euro. Os dois chefes de governo afirmaram que estão de acordo em relação à necessidade de mais medidas visando à integração política na Europa.

Recentemente, Obama conclamou os europeus diversas vezes a se esforçarem para aplainar a crise de endividamento na zona do euro. Os problemas na Europa abalam cada vez mais a economia mundial, gerando insegurança nos mercados financeiros. Isso prejudica as tendências de recuperação da economia norte-americana e consequentemente também a criação de novos empregos no país. A taxa relativamente alta de desemprego nos EUA reduz, por sua vez, as chances de Obama de ser reeleito nas próximas eleições presidenciais, a serem realizadas em novembro.

Desemprego entre jovens deverá ser combatido

Outro destaque da cúpula do G20 é a criação de um plano de ação por maior crescimento e sobretudo por mais empregos para os jovens. Segundo Merkel, a meta é realizar reformas estruturais, sanear o orçamento e gerar impulsos ao crescimento. Todos os países, salientou a chefe de governo alemã, têm suas tarefas de casa a serem cumpridas.

A cúpula do G20 em Los Cabos é a sétima desde novembro de 2008, quando os chefes de Estado e governo das principais nações industrializadas e emergentes do mundo se reuniram pela primeira vez, a fim de discutir a respeito do sistema financeiro mundial.

SV/rtr/dpa/afp,/dapd
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais