1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Gás mostarda é usado por rebeldes na Síria

Segundo relatório da OPAQ, não é possível confirmar qual grupo foi autor de ataque. Crescem, no entanto, indícios de que jihadistas do "Estado Islâmico" possuem armas químicas.

default

Em 2013, especialistas da ONU investigaram uso de armas químicas em Damasco

Especialistas comprovaram o uso de gás mostarda em combates entre jihadistas do "Estado Islâmico" (EI) e grupos rebeldes na Síria, afirmaram nesta quinta-feira (05/11) fontes da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

O gás foi utilizado em Marea, uma cidade da província de Aleppo, no dia 21 de agosto. "Nós confirmamos os fatos, mas não determinamos os responsáveis", disse a fonte à agência de notícias AFP.

Um relatório confidencial sobre o tema foi enviado aos países-membros da organização, os quais se reunirão em Haia no final de novembro. Essa é a primeira vez que gás mostarda é usado no país.

A agência de notícias Reuters teve acesso a um resumo do relatório, segundo o qual um bebê teria morrido em decorrência do ataque. Ativistas sírios e ONGs de saúde já haviam afirmado, no fim de agosto, que um ataque com armas químicas atingiu dezenas de pessoas naquela cidade.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) disse ter tratado quatro civis da mesma família atingidos por gás mostarda. Segundo os pacientes, um morteiro atingiu a sua casa e "após a explosão, um gás amarelo encheu a sala".

Armas químicas nas mãos de jihadistas

O relatório é mais um indício de que o EI possui armas químicas e está as utilizando em confrontos na Síria e Iraque. Autoridades curdas afirmaram que jihadistas usaram gás mostarda no ataque a forças peshmerga, também em agosto. Exames de sangue de 35 combatentes teriam comprovado a afirmação.

O gás mostarda é muito tóxico e provoca lesões graves na pele e irritações nos olhos e no aparelho respiratório, assim como lesões neurológicas e gastrointestinais e destruição de tecidos e vasos sanguíneos. Ele foi usado pela primeira vez por alemães na Bélgica, em 1917, e foi proibido pela ONU em 1993.

Em 2013, o governo sírio concordou em destruir suas armas químicas, para evitar investidas militares dos Estados Unidos, após um ataque com gás sarin ter matado centenas de civis num subúrbio de Damasco. O estoque declarado da Síria de armas químicas foi destruído.

No país, forças do governo e da oposição negaram o uso de armas químicas no conflito, que já dura mais de quatro anos.

CN/lusa/afp/rtr

Leia mais