1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Futebol concorre com religião, diz teólogo Hans Küng

Às vésperas da Copa do Mundo, sociólogos, psicólogos e teólogos alemães debatem o fenômeno do futebol e analisam o comportamento das pessoas diante do amor pelo esporte.

default

Futebol mexe com as emoções e gera sentimento de solidariedade

O futebol é muito mais do que esporte e negócio. Para muitos fãs, a vitória significa alegria extrema e a derrota, um sentimento de luto. É quando algo secundário se transforma no que há de mais importante no mundo. Até mesmo um 0 a 0 durante os 90 minutos de uma partida pode exercer uma tremenda fascinação, cuja origem parece misteriosa.

Para alguns torcedores, sejam homens ou sejam mulheres, o futebol tem uma dimensão religiosa ou pseudo-religiosa, como afirma o teólogo Hans Küng. "O futebol é um sério concorrente da religião, podendo até mesmo se tornar uma religião. Há até quem fale do deus futebol", disse durante um debate no jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung.

Para ele, o ritual no estádio, o templo do futebol, apresenta claros paralelos com uma liturgia. "A grande questão é que o fenômeno individualmente não é algo crucial, mas o clima como um todo, que sugere a cada torcedor que aquilo que ele está vivenciando é o máximo", afirmou Küng.

Contraponto para sociedade regulada

EM 2004 Lettland gegen Deutschland Fußballfan

O estádio, o templo do futebol, promove uma atmosfera envolvente

Na opinião do sociólogo Gunter Pilz, de Hannover, uma partida tem uma importante função psíquica. "Um estádio de futebol é um local que promove experiências de emoção, paixão e uma atmosfera inebriante. Isso leva a um equilíbrio da carga de instinto e afeto do ser humano civilizado na nossa sociedade regulada e estruturada", explica. Para isso, o que acontece no campo sequer precisa ser emocionante. Em muitos casos, a tensão se transfere do gramado para as arquibancadas.

O sociólogo Rolf von Lüde, de Hamburgo, parece compartilhar da mesma opinião. "No futebol, os espectadores dividem a emoção da vitória ou da derrota". Até mesmo pessoas racionais, que controlam suas emoções, podem se deixar levar pelo sentimento de "nós", da solidariedade associativa (para com o próximo) ou nacional (para com a seleção). "Num evento como o futebol, isso se dá de tal maneira que produz um sentimento de grupo, envolvendo todas as camadas sociais."

Até certo ponto, as regras simples do futebol são provavelmente também a razão para a sua popularidade em todo o mundo, diz o sociólogo Dirk Kaesler. Além disso, o futebol pode ser jogado em qualquer lugar, bastando apenas ter uma bola.

Válvula de escape para agressões

Tudo isso contribui para o fato de o futebol ser o esporte mais popular do mundo, o que pode gerar situações até inusitadas. "Em que outra situação veríamos um cidadão alemão enrolado na bandeira do seu país?", questiona. Na Alemanha, não é comum a demonstração do orgulho nacional por meio de roupas ou de bandeiras devido ao temor de que o gesto seja confundido com nacionalismo.

BdT Schießkino für Jäger

Jogadores correndo atrás de uma bola são comparados a caçadores

Explicações para o fenômeno do futebol são, de acordo com o psicólogo Laszlo Pota, de Hambugo, encontradas no início da história da humanidade e podem ser resumidas numa expressão: "descarregar a agressão". "Os homens, tal como caçadores e colecionadores, descarregam seus instintos caçadores na comemoração após a conquista de títulos ou troféus".

Pota explica assim o "instinto do caçador" associado ao futebol: "Vinte e duas pessoas caçam uma bola de couro que, simbolicamente, substitui o animal a ser caçado, sem matar e com apenas um risco mínimo de ferimento". Acrescente-se a isso a luta. "Diferentemente de uma luta armada homem contra homem, a luta no gramado termina sem derramamento de sangue".

Domínio masculino?

Mesmo em tempo de igualdade de direitos e com mulheres alemãs campeãs mundiais, o futebol continua servindo como "um demarcador entre os sexos". "Os homens acham que só eles realmente dominam o esporte", diz Pota.

Segundo o psicólogo Holger Brandes, de Dresden, apesar da dissolução de tradicionais estruturas no mundo do trabalho e do lazer, o esporte ganha força como área de afirmação específica da cada sexo. E entre as modalidades esportivas, sobretudo na Europa e na América Latina, o futebol se consolidou como "prática masculina".

Leia mais