1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fronteiras livres para trabalhadores do Leste Europeu

Parlamentares das principais bancadas do Parlamento Europeu exigem a abertura das fronteiras para trabalhadores provenientes dos novos países-membros do Leste a partir de 2009.

default

Desmontagem das fronteiras européias também para o mercado de trabalho?

Segundo o desejo dos deputados das principais bancadas do Parlamento Europeu, as fronteiras da Europa devem ser totalmente abertas, a partir de 2009, para os trabalhadores dos dez novos países-membros.

O contrato de adesão dos novos países estipula que, até 2009, eles poderão sofrer sanções por parte dos antigos membros da UE, no que tange o acesso de seus cidadãos ao mercado de trabalho desses países. O prolongamento desta cláusula por mais dois anos, mediante a apresentação de uma razão especial, é possível.

Entretanto, enquanto países como a Irlanda e o Reino Unido não colocaram barreiras, desde o início, para os trabalhadores do Leste, países como a Alemanha, Bélgica e Áustria vêem esta abertura de uma forma bastante cautelosa.

Sempre bem-vindo quando se precisa

Bisher deutliche Mehrheit für EU-Osterweiterung in Irland

Irlandeses continuam festejando a ampliação da União Européia

Na Irlanda, desde 2004, já se instalaram 85 mil trabalhadores provenientes dos novos membros da União Européia, o que poderia ser um problema para o pequeno país, mas os poloneses, húngaros e tchecos são muito bem-vindos para a o boom atual da economia irlandesa, um fenômeno que também se observa no Reino Unido.

Na Irlanda e no Reino Unido não há barreiras para os cidadãos de oito novos países-membros desde o início. Para os trabalhadores de Malta e Chipre já não havia, de qualquer modo, nenhuma barreira.

A Suécia também praticou a política de livres fronteiras. A preocupação de que os novos trabalhadores iriam pôr em risco a estabilidade do sistema social não se confirmou, desde a entrada dos novos países na União Européia, em maio de 2004. Entretanto, a economia sueca também vai bem.

Outros querem seguir o mesmo exemplo

Depois destes três países, a maioria dos 12 antigos membros também quer seguir o mesmo exemplo e revogar ou, pelo menos, afrouxar as sanções. Isto vale para a Espanha, Portugal, Finlândia e, com restrições, para a Dinamarca. O governo holandês decidiu revogá-las já a partir de janeiro próximo.

A França também quer abrir paulatinamente suas fronteiras, pelo menos para aqueles setores da economia onde há necessidade urgente de mão-de-obra, como na gastronomia ou no cuidado de idosos. A Itália quer introduzir um sistema de cotas, que também pode ser prolongado.

Fronteiras fechadas provocam o trabalho ilegal

EU im Schleudergang

Acesso difícil à Alemanha, Áustria e Bélgica

A Alemanha e a Áustria, por outro lado, esclareceram mais uma vez que seus mercados de trabalho estarão fechados para os novos trabalhadores pelo menos até 2009, com grandes possibilidades de prolongamento até 2011.

Para o parlamentar europeu da União Democrata Cristã (CDU), Thomas Mann, existe um bom argumento para tal: "Em países com alto desemprego, a imigração não cria novos postos de trabalho e não provoca o aumento de competitividade".

A Bélgica também está bastante reticente com a vinda dos novos trabalhadores. A Comissão Executiva da União Européia se esforça, entretanto, para uma abertura rápida dos mercados, não só por se tratar de um direito europeu, mas também por ter aprendido com a prática que o protecionismo no mercado gera trabalho ilegal.

Leia mais