1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Fronteiras arbitrárias são origem histórica de conflitos no Oriente Médio

Antes mesmo do fim do Império Otomano, Reino Unido e França traçaram fronteiras na região, segundo seus interesses econômicos e alheias ao destino das populações locais. As consequências se fazem sentir nos dias atuais.

Um coronel britânico e um cônsul-geral francês são os responsáveis pela dramática situação no atual Iraque: Mark Sykes e François Georges-Picot desenvolveram em 1916 o documento secreto que leva seu nome. No Acordo Sykes-Picot, eles regulavam a partilha dos territórios do "antigo" Império Otomano, sem que a população local tivesse conhecimento.

O detalhe picante é que àquela altura o Império Otomano ainda existia. Seus últimos califas – líderes políticos e espirituais em uma só pessoa – foram os sultões Mehmet 5° (1909-1918) e Mehmet 6° (1918-1922). Politicamente, o califado otomano terminou em novembro de 1922, com a fundação da República da Turquia por Kemal Atatürk. O califado espiritual dos otomanos perdurou até março de 1924, quando, por iniciativa de Atatürk, uma lei que aboliu o Parlamento turco.

Fronteiras com cálculo político

As duas principais potências militares da época, Reino Unido e França, tinham grande interesse na região entre o Mar Mediterrâneo e o Golfo Pérsico. Em Londres, já no início do século 20 os responsáveis haviam reconhecido a importância que poderia ter o acesso às fontes de extração de petróleo. Além disso, a região se localizava bem no caminho da principal colônia dos britânicos, a Índia.

O governo em Paris, por sua vez, possuía uma longa história de relações comerciais com os grandes portos da costa do Mediterrâneo, como Beirute, Sídon e Tiro, as quais queria assegurar por meio do Acordo Sykes-Picot.

Para as grandes potências, o destino dos habitantes dessas regiões não importava: o britânico Sykes marcou a fronteira entre as duas áreas de protetorado à mão livre, com uma caneta: de Kirkuk, no atual Iraque, atravessando quase mil quilômetros até Haifa.

"A forma artificial como os Estados foram constituídos foi responsável por diversos conflitos nas últimas décadas", afirma Henner Fürtig, vice-presidente do Instituto de Estudos Globais e Regionais (Giga) e diretor do Instituto Giga de Estudos do Oriente Médio, em Hamburgo. "Essas questões continuam sem solução por mais de um século e vêm à tona de forma cíclica, como agora no caso do avanço do EIIL no norte do Iraque."

Bildergalerie ISIS

Combatentes do EIIL no Iraque

Compreensão histórica distorcida

Até hoje, a população de praticamente todos os Estados da região é composta por uma variedade etnias e religiões. É justamente aí que o grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) impõe sua exigência de uma teocracia pan-islâmica na forma de um grande califado. Segundo Fürtig, o próprio nome do grupo já indica que os extremistas tentam desfazer a marcação de fronteiras que consideram ocidental-imperialista.

Os extremistas do EIIL situam nos últimos 400 anos do domínio otomano o auge da forma de governo que agora almejam. O que eles deixam de lado é que, para os árabes, esse foi na verdade um período de dominação estrangeira pelo califado otomano. Mesmo assim, eles veem no califado a forma natural de Estado para os muçulmanos devotos, observa Henner Fürtig. "Não estou falando de viabilidade, mas sim do que é divulgado pela propaganda, em parte, com muito sucesso."

Diante do avanço dos combatentes do EIIL no Iraque, observadores advertem repetidamente quanto a um desmantelamento da ordem política no país. Henner Fürtig considera a situação para próprio o Iraque menos dramática, comparada com a dos países vizinhos, igualmente marcados por uma mistura de etnias e religiões: "As consequências de um colapso estatal seriam devastadoras para a Turquia ou o Irã. Ninguém quer isso."

Além disso, lembra o diretor do Instituto Giga para o Oriente Médio, o Iraque, como Estado, já tem experiência com grandes crises: "A guerra civil no Iraque em 2006 foi pelo menos tão grave quanto agora. Na época, registraram-se 34 mil civis mortos em um ano – mesmo assim, o Estado se manteve coeso, de fato."

Leia mais